Dia internacional das Mulheres
ECONOMIA

Campos Neto diz que trabalhará na modernização do Sistema Financeiro Nacional

26 Fev 2019 - 14h44Por Fabrício de Castro, Eduardo Rodrigues e Silvia Araujo

O economista Roberto Campos Neto, indicado para a presidência do Banco Central, afirmou nesta terça-feira, 26, que trabalhará, à frente da instituição, na modernização de Sistema Financeiro Nacional (SFN), "de modo a garantir que ele continue líquido, capitalizado e bem provisionado".

"A busca pela eficiência do SFN deve ser uma tarefa cotidiana do BCB", disse Campos Neto, durante a sabatina na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado. "Nesse aspecto, avanços relevantes foram feitos recentemente em várias questões por meio da já consagrada Agenda BC+, uma agenda de reformas estruturais que trouxe transparência ao constante processo de modernização de nosso sistema financeiro e se mostrou uma importante ferramenta de comunicação com a sociedade."

Campos Neto reforçou a defesa da Agenda BC+, de ações estruturais da instituição. Segundo ele, a agenda traz claros benefícios à sociedade, tanto imediatos quanto de longo prazo, "e eu pretendo mantê-la e expandi-la, buscando sempre inovação e eficiência, de modo a posicionar o Brasil para as mudanças que temos vivenciado e que se intensificarão nos próximos anos".

O economista defendeu ainda que é preciso avançar na modernização dos mecanismos de inclusão financeira no Brasil. "Há pouco, mencionei a importância do setor financeiro e sua capacidade de prover recursos para o setor produtivo, e a literatura demonstra que existe clara correlação positiva entre o tamanho do mercado de capitais e o PIB de uma economia", disse Campos Neto. "Assim, é preciso avançar nas mudanças que permitam o desenvolvimento de nosso mercado de capitais, democratizando e garantindo o acesso a firmas e investidores, brasileiros e estrangeiros, grandes e especialmente pequenos. Essa democratização do acesso é também um elemento importante para garantir a adequada precificação dos produtos financeiros, por meio de formas competitivas de acesso ao mercado e adequada distribuição de produtos."

Campos Neto afirmou também que é preciso criar mecanismos para aumentar a transparência no setor financeiro, "com instrumentos para provisão de informação e que deem maior visibilidade às opções à disposição de poupadores e investidores". "Maior transparência é importante não apenas para aumentar a disponibilidade de alternativas de investimentos e de captação de recursos, mas também para que essas decisões sejam realizadas com base em informação adequada."

Para Campos Neto, no entanto, "o efeito de maior transparência sobre o comportamento do pequeno poupador ou tomador final será mais significativo quando maior for o nível de educação financeira da sociedade". "Essa é uma dimensão na qual o país necessita avançar."

O economista pontuou ainda que duas maneiras de promover o avanço na educação financeira são os programas de microcrédito e o estímulo ao cooperativismo. "O microcrédito permite o contato prático da população com conceitos financeiros em um ambiente simplificado e de risco controlado. Enquanto as cooperativas de crédito, por trazerem o cooperado para o centro das decisões, criam um ambiente para troca de experiências que promove e consolidação do espírito empreendedor e de importantes conceitos financeiros."

Campos Neto participa nesta terça de sabatina na CAE do Senado. A expectativa é de que seu nome seja aprovado ainda nesta data na comissão e no plenário do Senado. Também passam por sabatina Bruno Serra Fernandes, que ocupará a Diretoria de Política Monetária, e João Manoel Pinho de Mello, que será o titular da Diretoria de Organização do Sistema Financeiro e de Resolução do BC.

Reformas estruturantes

João Manoel Pinho de Mello defendeu a implantação de reformas estruturantes para a melhora da intermediação financeira no País e, principalmente, para a promoção da concorrência no SFN. Ex-assessor especial para Reformas Microeconômicas, e ex-Secretário de Promoção da Produtividade e Advocacia da Concorrência e Secretário de Política Econômica - ambos os cargos ocupados no extinto Ministério da Fazenda - ele considerou que uma condição necessária para que os mercados de crédito e de capitais funcionem a contento é sua solidez.

"Nosso Sistema Financeiro é resiliente, como ilustra a grande recessão que vivemos", avaliou Pinho de Mello. "Mas solidez não basta. O Sistema Financeiro deve dar acesso a crédito a juros baixos. Para isso, é essencial que o risco de conceder empréstimos seja baixo e que haja forte competição entre os credores", completou.

Mello lembrou que a taxa de juros é alta sempre que o risco de conceder crédito for alto. Por isso, é preciso dar segurança às garantias dos empréstimos. "Foi assim com a consignação em folha de pagamento para o crédito pessoal; foi assim com a alienação fiduciária para o financiamento de automóveis e imóveis; foi assim com o patrimônio de afetação para o financiamento à construção civil", elencou.

Nesse sentido, Mello citou duas iniciativas recentes que tramitaram ou ainda tramitam no Congresso, como a duplicata eletrônica e o Cadastro Positivo "Mas dar segurança tampouco basta. É preciso que haja competição acirrada entre os credores. Sem competição, a queda no custo de conceder empréstimos advinda da redução do risco é apropriada pelos credores, e acaba beneficiando pouco os consumidores e os que fazem investimentos produtivos", acrescentou.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Banco do Brasil oferece prova de vida do INSS por aplicativo

Ferramenta diminui comparecimento às agências
Banco do Brasil oferece prova de vida do INSS por aplicativo
Geral

Contribuinte pode destinar parte do IR para projetos sociais de Guaramirim

Todas as pessoas físicas podem fazer doações de recursos financeiros aos Fundos Municipais
Contribuinte pode destinar parte do IR para projetos sociais de Guaramirim
Economia

Aumento da gasolina também causa impacto no preço do etanol

Álcool acumula aumento de 21% desde janeiro
Aumento da gasolina também causa impacto no preço do etanol
Economia

Indústria brasileira cresce 0,4% de dezembro para janeiro

Setor teve expansão de 0,8% na média móvel trimestral
Indústria brasileira cresce 0,4% de dezembro para janeiro
Ver mais de Economia