Dia internacional das Mulheres
ECONOMIA

Bolsas de NY fecham em alta após Fed indicar possível fim da redução do balanço

20 Fev 2019 - 20h29

Os mercados acionários americanos encerraram o pregão desta quarta-feira, 20, em alta diante de sinalizações do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) de que o processo de enxugamento do balanço patrimonial da instituição pode acabar este ano. Os agentes também digeriram comentários do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre as relações comerciais com a Europa, onde o número 1 da Casa Branca disse abertamente que pode impor tarifas a automóveis europeus importados.

Em Wall Street, o índice Dow Jones fechou em alta de 0,24%, aos 25.954,44 pontos; o S&P 500 avançou 0,18%, para 2.784,70 pontos; e o Nasdaq subiu 0,03%, para 7.489,07 pontos.

Sinais cautelosos do Fed e otimismo quanto a um acordo comercial sino-americano provocaram a recuperação das bolsas em Nova York este ano após o forte "sell-off" de dezembro, que fez tanto o S&P 500 quanto o Nasdaq entrarem em "bear market", o território que indica 20% de queda em relação a um pico recente. A ata da reunião de política monetária de janeiro mostrou que os dirigentes falaram sobre a onda vendedora de ações e, além disso, discutiram um plano para encerrar a redução do balanço patrimonial da instituição. "O Fed está sendo consistente e os dirigentes são capazes de manter uma postura mais 'dovish' sem uma preocupação de que a inflação irá superaquecer", afirmou o diretor de investimentos da RegentAtlantic, Chris Cordaro.

Mesmo assim, a ata mostrou uma divisão no banco central, com alguns dirigentes defendendo que, se os riscos à economia diminuírem, a política paciente fique de lado. Assim, ações de bancos foram apoiadas em Nova York: o papel do JPMorgan subiu 0,48%, o do Citigroup avançou 0,40% e o do Bank of America teve alta de 0,96%.

Além da ata do Fed, os investidores também se atentaram às relações comerciais sino-americanas. Na terça-feira, Trump disse que os EUA podem não aumentar as alíquotas tarifárias sobre produtos chineses depois de 1º de março caso um acordo esteja próximo de ser alcançado. Para ele, o prazo não é "uma data mágica". Os comentários do líder americano nesta quarta-feira, porém, foram um pouco mais cautelosos em relação à Europa. De acordo com ele, se um acordo não for firmado com a União Europeia, os EUA irão impor tarifas sobre automóveis e autopeças importados.

Mesmo assim, o otimismo dos agentes se manteve, com as relações entre Washington e Pequim no foco. "Estamos esperançosos de que haja um resultado positivo, o que quer que isso seja. É isso o que o mercado está procurando", afirmou o diretor da empresa de gestão de patrimônio BOS, de San Francisco, Dave Campbell. Fonte: Dow Jones Newswires.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Banco do Brasil oferece prova de vida do INSS por aplicativo

Ferramenta diminui comparecimento às agências
Banco do Brasil oferece prova de vida do INSS por aplicativo
Geral

Contribuinte pode destinar parte do IR para projetos sociais de Guaramirim

Todas as pessoas físicas podem fazer doações de recursos financeiros aos Fundos Municipais
Contribuinte pode destinar parte do IR para projetos sociais de Guaramirim
Economia

Aumento da gasolina também causa impacto no preço do etanol

Álcool acumula aumento de 21% desde janeiro
Aumento da gasolina também causa impacto no preço do etanol
Economia

Indústria brasileira cresce 0,4% de dezembro para janeiro

Setor teve expansão de 0,8% na média móvel trimestral
Indústria brasileira cresce 0,4% de dezembro para janeiro
Ver mais de Economia