ECONOMIA

Bolsas da Europa fecham sem sinal único, de olho em Brexit e EUA-China

06 Mar 2019 - 16h46

As bolsas europeias fecharam sem sinal único, mas na maioria em alta nesta quarta-feira, 6. Investidores aguardaram novidades no diálogo comercial entre Estados Unidos e China e também do processo de saída do Reino Unido da União Europeia, o Brexit.

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em queda de 0,10%, em 375,27 pontos.

Os mercados continuam observando de perto o avanço no diálogo entre os Estados Unidos e a China. Na segunda-feira, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, afirmou que Washington e Pequim estavam "prestes" a chegar a um acordo para encerrar a disputa comercial iniciada em meados do ano passado. Já na terça-feira, Pompeo disse que o presidente americano, Donald Trump, irá rejeitar qualquer acordo que não seja perfeito, embora tenha ressaltado a disposição da Casa Branca de continuar trabalhando para chegar a um entendimento com os chineses.

Quanto ao Brexit, a possibilidade de a primeira-ministra britânica, Theresa May, não conseguir obter concessões suficientes da União Europeia para que o Parlamento britânico aprove um acordo sobre a saída do Reino Unido da UE continua no radar dos investidores. A próxima votação sobre o Brexit no Parlamento está prevista para o início da semana que vem. Caso May não consiga aprovação da estratégia de divórcio, a primeira-ministra apresentará propostas para uma saída sem acordo ou para o adiamento da data para ruptura com o bloco, marcada para o dia 29 deste mês.

Na bolsa de Londres, o índice FTSE-100 fechou em alta de 0,17%, em 7.196,00 pontos. O bom desempenho das mineradoras ajudou a praça local, com altas de Antofagasta, BHP, Anglo American e Rio Tinto, na esteira de anúncios de que a China adotará mais medidas de estímulo. Por outro lado, no setor de luxo o Burberry Group recuou 4%, após a ação ser rebaixada pelo Goldman Sachs.

Em Frankfurt, o índice DAX recuou 0,28%, a 11.587,63 pontos. Entre os papéis mais negociados, Aroundtown subiu 0,48% e Deutsche Bank avançou 1,35%, mas Schaeffler registrou baixa de 6,23%.

Na bolsa de Paris, o índice CAC-40 teve queda de 0,16%, a 5.288,81 pontos. Crédit Agricole recuou 0,58% e Orange caiu 0,75%, entre os papéis mais negociados, e Total subiu 0,33%.

O índice FTSE-MIB, da bolsa de Milão, registrou ganho de 0,65%, a 20.851,56 pontos. Telecom Italia se destacou, em alta de 2,69%, enquanto a petroleira Eni avançou 0,63%. O grupo bancário UBI Banca fechou na maior alta do dia, de 4,27%.

Em Madri, o índice IBEX-35 subiu 0,42%, a 9.296,70 pontos. Os bancos espanhóis lideraram as altas do dia: Santander subiu 1,66%, Banco de Sabadell ganhou 1,39% e BBVA, 1,22%.

Na bolsa de Lisboa, o índice PSI-20 teve ganho de 0,39%, a 5.297,53 pontos, o patamar mais alto desde outubro do ano passado. Quem capitaneou a alta do dia foram o banco BCP, que avançou 1,19%, e a petrolífera Galp Energia, que subiu 0,95%. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Governo do Estado propõe auxílio emergencial para amenizar efeitos da pandemia

O investimento do Executivo será superior a R$ 37 milhões, com recursos já garantidos no orçamento
Governo do Estado propõe auxílio emergencial para amenizar efeitos da pandemia
Economia

Sicredi disponibiliza opção de pagamentos no WhatsApp

Instituição financeira cooperativa oferece nova opção de transferência para os associados por meio de parceria com o Facebook
Sicredi disponibiliza opção de pagamentos no WhatsApp
Geral

Mercado de energia solar cresce 70% e se posiciona como promissor e lucrativo no Brasil

Mercado de energia solar cresce 70% e se posiciona como promissor e lucrativo no Brasil
Economia

Pagamento do abono anual para segurados da Previdência é antecipado

Abono equivale ao 13º salário dos segurados
Pagamento do abono anual para segurados da Previdência é antecipado
Ver mais de Economia