ECONOMIA

Bolsas da Europa fecham em forte queda com temores sobre economia global

22 Mar 2019 - 15h26Por Monique Heemann

As bolsas da Europa fecharam em forte queda o pregão desta sexta-feira, 22, pressionadas por temores com a economia global. Com a indústria da Alemanha, maior economia da zona do euro, em contração, investidores optaram por fugir do risco, enquanto a apreensão se elevou com a inversão de parte da curva de juros dos títulos do Tesouro americano, considerada uma sinalização de crise econômica. O índice Stoxx-600 caiu 1,22%, a 376,04 pontos.

Em Londres, o FTSE 100 caiu 2,01%, a 7.207,59 pontos, com queda semanal de 0,29%, enquanto o DAX, de Frankfurt, recuou 1,61%, a 11.364,17 pontos, e acumulou perda de 2,75% na semana. O CAC 40, de Paris, registrou queda de 2,02%, a 5.269,92 pontos, e 2,50% cedidos na semana. Em Milão, o FTSE MIB cedeu 1,38%, a 21.078,76 pontos, mas mostrou avanço semanal de 0,16%. Em Madri, o Ibex 35 perdeu 1,67%, a 9.199,40 pontos, com queda de 1,53% na semana, e o PSI 20, de Lisboa, caiu 2,04%, a 5.160,37 pontos, e terminou a semana com 1,52%.

O índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) da indústria da Alemanha, maior economia da zona do euro, caiu a 44,7 neste mês, informou a IHS Markit, no menor nível em 79 meses e abaixo do nível dos 50,0, que indica contração. Não bastasse a notícia negativa local, a indústria também mostrou contração no Japão, enquanto o PMI industrial dos Estados Unidos recuou ao menor patamar em 21 meses.

Os temores com a economia global foram acentuados quando, pela primeira vez desde 2007, o spread da T-bill de três meses e da T-note de dez anos, que vinha mostrando achatamento durante a semana, se tornou negativo, indicando uma inversão na curva de juros no intervalo usado como referência pelo próprio Federal Reserve (Fed, o banco central americano) para indicar recessões.

"A inversão doeu. Como já discutimos anteriormente, essa é a curva em que o Fed mais presta atenção devido a seus pontos de previsão para uma recessão nos EUA", afirmou o economista John Hill, do banco canadense BMO Capital Markets. O cenário de apreensão levou investidores dos dois lados do Atlântico a buscarem por ativos seguros, prejudicando os mercados acionários.

Além disso, o Conselho Europeu adotou formalmente nesta sexta o documento em que concede a Londres uma extensão do prazo do Brexit até 22 de maio, sob a condição de a Câmara dos Comuns britânica votar a favor da atual proposta de acordo na semana que vem, ou até 12 de abril, se, pela terceira vez, prevalecer o "não" em Westminster. Segundo o presidente do órgão, Donald Tusk, até 12 de abril "tudo é possível" em questão de alternativas para o divórcio.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Auxílio emergencial é pago a beneficiários do Bolsa Família com NIS 2

Parcela varia de R$ 150 a R$ 375, dependendo do beneficiário
Auxílio emergencial é pago a beneficiários do Bolsa Família com NIS 2
Economia

Caixa sorteia R$ 30 milhões da Dupla-Sena da Páscoa neste sábado

Apostas podem ser feitas até as 19h
Caixa sorteia R$ 30 milhões da Dupla-Sena da Páscoa neste sábado
Economia

WEG anuncia novos investimentos em Minas Gerais

Com uma nova fábrica de Eletrocentros em Betim, companhia pretende fortalecer sua posição em um dos mais importantes mercados de equipamentos elétricos industriais e para geração de energia do país
WEG anuncia novos investimentos em Minas Gerais
Economia

Petrobras aumenta preços do diesel e da gasolina nas refinarias

Litro do diesel passará a custar R$ 2,76, e o da gasolina, R$ 2,64
Petrobras aumenta preços do diesel e da gasolina nas refinarias
Ver mais de Economia