ECONOMIA

Bolsas da Europa fecham em alta, de olho na Itália e à espera do Fed

19 Dez 2018 - 14h41Por Gabriel Bueno da Costa

As bolsas europeias fecharam com ganhos nesta quarta-feira, 19. Os índices acionários foram apoiados pela expectativa de que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) sinalize menos altas de juros no próximo ano, mesmo que confirme a expectativa dos investidores e eleve a taxa. Além disso, a confirmação de que a Itália chegou a um acordo sobre seu orçamento com a União Europeia apoiou o apetite por risco.

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 0,31%, em 341,52 pontos.

A possibilidade de que o Fed mostre menos pressa em seu aperto monetário apoiou as bolsas europeias. O BC dos EUA pode rever a trajetória de sua política, em meio a sinais de desaceleração econômica global, na opinião de alguns analistas. A decisão do Fed ocorre apenas após o fechamento das bolsas europeias, mas a expectativa já influiu nos negócios desta quarta.

Além disso, a UE confirmou o acordo com a Itália para que o orçamento do país no ano fiscal de 2019 registre déficit de 2,04% do Produto Interno Bruto (PIB). Com isso, Roma evitou um processo no âmbito do bloco, o que gerou alívio e apoiou sobretudo a bolsa de Milão.

Na agenda de indicadores, o índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) da Alemanha seguiu em 3,3% em novembro, na comparação anual, ante expectativa de 3,0% dos analistas. No Reino Unido, o índice de preços ao consumidor (CPI) subiu 2,3% em outubro, na comparação anual, em linha com o esperado.

Na frente política, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, afirmou que a saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit) sem um acordo seria uma "catástrofe absoluta". Não está claro, porém, se o Parlamento britânico apoiará o acordo fechado pela premiê Theresa May com Bruxelas.

Na bolsa de Londres, o índice FTSE-100 fechou em alta de 0,96%, em 6.765,94 pontos. A gigante farmacêutica GlaxoSmithKline se destacou e subiu 3,78%, após anunciar um acordo com a Pfizer que envolve a fusão das divisões de cuidados com saúde das empresas. Ações de companhias de petróleo e mineração também se destacaram, com Rio Tinto em alta de 2,5% e Royal Dutch Shell, de 1,6%.

Em Frankfurt, o índice DAX avançou 0,24%, a 10.766,21 pontos. Entre os papéis mais negociados, Aroundtown subiu 0,88% e Deutsche Telekom, 1,55%, mas Deutsche Bank caiu 1,49%. No setor de energia, E.ON subiu 0,74%.

Na bolsa de Paris, o CAC-40 teve ganho de 0,49%, a 4.777,45 pontos. BNP Paribas registrou alta de 0,80% e Société Générale, de 0,33%.

O índice FTSE-MIB, da bolsa de Milão, subiu 1,59%, a 18.941,90 pontos. Entre os bancos italianos, Intesa Sanpaolo avançou 1,71%, BPM ganhou 2,69% e UniCredit, 2,67%. A petroleira ENI teve alta de 0,98%, enquanto a montadora Fiat Chrysler subiu 1,57%.

Em Madri, o índice IBEX-35 avançou 0,78%, a US$ 8.769,10 pontos. Santander registrou ganho de 1,29% e BBVA, de 0,96%, mas Banco de Sabadell recuou 1,43%.

Na bolsa de Lisboa, o índice PSI-20 teve alta de 0,88%, a 4.744,15 pontos. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Matérias Relacionadas

Economia

Sorteio da Quina de São João será neste sábado

Prêmio de R$ 170 milhões é o maior do concurso
Sorteio da Quina de São João será neste sábado
Economia

Banco Central nega possibilidade de golpe com Pix agendado

Segundo órgão, mensagem que circula na internet não passa de rumor
Banco Central nega possibilidade de golpe com Pix agendado
Economia

Governo deve anunciar prorrogação do auxílio nesta semana, diz Guedes

Ministro se reuniu com empresário na Fiesp, em São Paulo
Governo deve anunciar prorrogação do auxílio nesta semana, diz Guedes
Política

Secretário e deputados discutem aperfeiçoamento do Prodec

A iniciativa visa tornar os benefícios do principal programa de incentivo ao desenvolvimento da indústria mais acessíveis ao investidor
Secretário e deputados discutem aperfeiçoamento do Prodec
Ver mais de Economia