Joaçaba Pneus
ECONOMIA

BNDES aprova financiamento de R$ 140 milhões para fabricante de vidros

18 Fev 2019 - 19h18Por Daniela Amorim

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou um financiamento de R$ 140 milhões para a AGC Vidros do Brasil, empresa fabricante de vidros com atuação em São Paulo. Os recursos representam 20% do investimento total da companhia num projeto para ampliar a capacidade de produção da fábrica do grupo em Guaratinguetá, no interior do Estado.

Em nota, o banco de fomento explica que o plano inclui a criação de uma segunda unidade de produção de vidros planos e vidros automotivos e de uma unidade de produção de vidros coater, além da ampliação do armazém para estocagem de produtos A expectativa é que a operação, financiada pelo BNDES através da linha Finem Direto, gere 600 empregos temporários e outros 300 definitivos, diz o comunicado.

A AGC Vidros do Brasil pertence ao grupo japonês Asahi Glass Company, que atua mundialmente na fabricação de vidros para os setores automotivos, eletrônico e construção civil. Com a ampliação prevista no projeto, a capacidade de produção da fábrica de Guaratinguetá passará das atuais 600 toneladas por dia de vidros planos para até 1.450 toneladas por dia, informou o BNDES.

Matérias Relacionadas

Economia

Rede catarinense Havan inaugura 160ª filial

Esta é a primeira loja da rede no estado sergipano. Atualmente, a Havan está presente em 18 estados brasileiros, mais o Distrito Federal
Rede catarinense Havan inaugura 160ª filial
Economia

Decisão sobre reajuste de bandeiras tarifárias deve sair até o dia 30

Aumento pode passar de 20%, diz diretor da Aneel
Decisão sobre reajuste de bandeiras tarifárias deve sair até o dia 30
Economia

Caixa antecipa pagamento de terceira parcela do auxílio emergencial

Novo calendário começa nesta sexta-feira, para nascidos em janeiro
Caixa antecipa pagamento de terceira parcela do auxílio emergencial
Economia

FIESC defende redução temporária do imposto de importação do aço

O insumo teve alta superior a 100% em 12 meses e tem impactado diversos setores, principalmente a construção e o metalmecânico
FIESC defende redução temporária do imposto de importação do aço
Ver mais de Economia