GNet
Caraguá
ECONOMIA

Até 20 de março, projeto dos militares será enviado à Câmara, diz Marinho

20 Fev 2019 - 15h06Por Idiana Tomazelli, Adriana Fernandes e Eduardo Rodrigues

O governo vai enviar até 20 de março o projeto de lei para propor mudanças nas regras de inatividade e pensão dos militares, informou nesta quarta-feira, 20, o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho. Ele disse ainda que existe a negociação com lideranças da Câmara dos Deputados para que ele tramite nas comissões temáticas e seja votado em plenário entre o primeiro e o segundo turno de apreciação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma da Previdência.

"Está negociado, mas o Congresso tem autonomia. Essa é a ideia (de tramitação)", afirmou Marinho.

Segundo o secretário especial, houve "determinação do presidente da República" para que os militares participassem do "esforço da Nova Previdência".

Como as regras dessa categoria estão difusas em cinco leis diferentes, ele informou que os técnicos trabalharão na redação do texto nos próximos 30 dias. "Ficamos até a madrugada de hoje debruçados sobre a PEC", explicou.

Marinho confirmou que haverá aumento do tempo mínimo de serviço dos militares de 30 anos para 35 anos, com elevação da alíquota de 7,5% para 10,5%. As pensões também vão pagar a mesma alíquota de 10,5%. Ele ressaltou que essas mudanças já vêm sendo negociadas desde 2015.

Nesses 30 dias, também há a promessa de envio do projeto de lei para fortalecer ação da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) para cobrar dívidas de devedores acima de R$ 15 milhões. Esse grupo reúne cerca de 4 mil devedores, boa parte há mais de um ano sem pagar.

Capitalização

Após dizer que o regime de capitalização para a Previdência será "opcional e não coercitivo", o Marinho admitiu que o projeto de lei que criará o novo modelo poderá torná-lo obrigatório. "A capitalização poderá ser obrigatória na lei complementar. A lei que decidirá. E também será a forma final da lei que definirá se haverá contribuição patronal no novo modelo de capitalização", afirmou.

Marinho citou o ministro da Economia, Paulo Guedes, para afirmar que o modelo de capitalização permitirá aos jovens se libertarem do regime de repartição, que não é mais sustentável. "A forma como o emprego é encarado hoje no mundo todo está mudando, com uso de aplicativos, contratação de autônomos, e a chamada indústria 4.0. São novas formas de emprego que não permitem a contribuição ao sistema previdenciário no modelo atual", completou.

Caraguá

Matérias Relacionadas

Economia

Receita abre consulta a lote residual de restituições do IR

Contribuintes receberão crédito bancário no próximo dia 31
Receita abre consulta a lote residual de restituições do IR
Economia

Oportunidade de trabalho

Confira!
Oportunidade de trabalho
Segurança

Banco Central comunica vazamento de dados de 160,1 mil chaves Pix

Foram vazados dados cadastrais da Acesso Pagamentos
Banco Central comunica vazamento de dados de 160,1 mil chaves Pix
Economia

Presidente negocia PEC para zerar impostos sobre combustíveis

Em 2021, a gasolina e o diesel subiram 47%, Etanol acumula alta de 62%
Presidente negocia PEC para zerar impostos sobre combustíveis
Ver mais de Economia