ECONOMIA

Antes do payroll, dólar oscila com Previdência e atividade fraca

03 Mai 2019 - 10h51Por Silvana Rocha

O dólar abriu esta sexta-feira, 3, em alta, em meio a desconforto com novos sinais de uma possível grande desidratação da proposta de reforma da Previdência na Comissão Especial, mas recuou em meio à queda de 1,3% da produção industrial do País em março ante fevereiro, divulgada pelo IBGE.

A atividade industrial veio no piso das projeções do mercado (de -1,30% a + 0,10%, com mediana de -0,80%). O indicador nutre pessimismo com o PIB do primeiro trimestre e pode embalar o debate sobre corte da Selic a menos de uma semana da decisão do Copom, na próxima quarta-feira, dia 8.

"As declarações do Paulinho (SD), presidente licenciado da Força Sindical, sobre diluição da reforma, e agora a fala do Arthur Lira do PP, de que não há votos suficientes ainda para aprovação da Previdência, sempre causam desconforto e colocam um viés de proteção no dólar", avalia Jefferson Rugik, diretor superintendente da Correparti. O dólar ante o real acompanha ainda o movimento externo de valorização da moeda americana com investidores aguardando o payroll dos EUA, diz o profissional.

Em entrevista à Rádio Eldorado, o líder do PP, deputado Arthur Lira (AL), negou a existência do bloco do "Centrão" na Câmara, que para ele é uma denominação dada pela imprensa. O deputado criticou o governo atual, que para ele erra ao distribuir dinheiro do pré-sal diretamente aos governadores porque, segundo ele, governadores não pedem nem têm votos para aprovar a reforma.

Também criticou o discurso do governo falando em rapidez na tramitação da reforma, quando não se tem votos suficientes para aprovar a proposta. Lira afirmou ainda que "a comissão especial tem maioria artificial; no meu partido, maioria não é a favor. Nunca acreditei na economia de R$ 1 trilhão, talvez algo em torno de R$ 600 bilhões, disse o parlamentar.

Às 9h22 desta sexta, o dólar à vista caía 0,19%, aos R$ 3,9521, após ter iniciado a sessão em leve alta, aos R$ 3,9621 (+0,06%), e registrado máxima aos R$ 3,9676 (+0,20%). No mercado futuro, o dólar para junho recuava 0,40%, aos R$ 3,9620, ante máxima mais cedo aos R$ 3,9775 (-0,01%).

Matérias Relacionadas

Economia

Intenção de gasto dos consumidores catarinenses para o Dia dos Pais deste ano cresceu 18,6%

Parte desse aumento pode ser explicado pelos resultados positivos registrados na economia catarinense
Intenção de gasto dos consumidores catarinenses para o Dia dos Pais deste ano cresceu 18,6%
Economia

Com destaque para o setor elétrico e para a WEG, indústria catarinense cresce 6,4% no ano até maio

Aumento da produção industrial reflete alto nível de consumo das famílias, acesso ao crédito e exportações; crescimento no mês foi de 5,8%
Com destaque para o setor elétrico e para a WEG, indústria catarinense cresce 6,4% no ano até maio
Saúde

Começa a reforma do Pronto Atendimento Infantil do Hospital Jaraguá

Obra terá investimento de mais de R$ 14 milhões e ficará pronta em 18 meses
Começa a reforma do Pronto Atendimento Infantil do Hospital Jaraguá
Economia

Indústria de Santa Catarina tem potencial para liderar produção na área da saúde

Especialistas reunidos na FIESC dizem que estado tem inteligência, tecnologia e capital humano para se destacar no Complexo Econômico-Industrial da Saúde
Indústria de Santa Catarina tem potencial para liderar produção na área da saúde
Ver mais de Economia