Dia internacional das Mulheres
ECONOMIA

Aneel propõe taxa mínima de retorno de 7,11% para geração e transmissão em 2019

12 Mar 2019 - 15h16Por Anne Warth

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) propôs hoje que a taxa mínima de retorno para empresas de geração e transmissão do setor elétrico seja de 7,11% em 2019. Para 2018, o valor a ser aplicado seria retroativo e corresponderia a 7,32%. Para os anos seguintes, o valor será atualizado conforme os parâmetros a serem definidos pela Aneel neste processo.

Atualmente, segundo o relator do processo, diretor Rodrigo Limp, a taxa mínima de retorno da geração está em 6,64%, e para transmissão, 7,16%. No caso da geração, essa taxa é válida apenas para usinas que operam no regime de cotas. O chamado "custo médio ponderado de capital" (WACC, na sigla em inglês), é um indicador utilizado para definir a remuneração das empresas do setor.

A taxa mínima de distribuição, desde 2015 em 8,09%, está mantida até o fim de 2019, mas será revista ainda neste ano. A diretoria da Aneel propõe que o WACC de todos os segmentos deverá seguir a mesma metodologia, mas cada setor terá um valor próprio - uma vez que há diferença no regime das distribuidoras.

"A ideia é manter a mesma metodologia (para distribuidoras), com tratamento da diferenciação do regime regulatório, e naturalmente, aperfeiçoamentos decorrentes da audiência pública", disse Limp.

Limp propôs mudanças significativas para a metodologia do WACC para geração e transmissão. No cálculo do custo de capital de terceiros, a Aneel considerou a predominância da participação de debêntures nas captações realizadas pelo setor nos últimos cinco anos. Hoje, a Aneel usa uma cesta de indicadores econômicos para fazer o cálculo do custo de capital de terceiros.

Segundo a Aneel, nos últimos cinco anos, as debêntures foram responsáveis por 45% das operações do setor, enquanto o BNDES ficou com 23%; bancos privados, com 18%; bancos públicos, com 9%; e 5% com a Eletrobras. "Considerando os benefícios das debêntures, como a transparência, já que todos os dados são públicos, e a reprodutibilidade desses dados, entendemos que a utilização das debêntures é mais adequada do que o modelo que vinha sendo adotado", disse.

A Aneel propôs também considerar dados contábeis de uma empresa do setor avaliada como eficiente, cuja relação dívida/ebitda é de 2,5 vezes, em vez dos dados contábeis de várias empresas do setor para o modelo regulatório.

A proposta da Aneel para a definição do WACC do setor de geração e transmissão é utilizar como referência para a taxa livre de risco a remuneração do título do Tesouro NTN-B de cinco anos, no lugar em vez da taxa livre de risco do Tesouro Norte-Americano associada a um prêmio de risco do mercado brasileiro. "Nossa meta é, quanto mais pudermos usar indicadores do mercado brasileiro, mais saudável o nosso processo", disse.

Já para o cálculo do prêmio de risco de mercado, porém, a Aneel ainda vai utilizar os indicadores do mercado norte-americano, pois ainda não haveria segurança para utilizar dados nacionais.

A proposta ficará aberta em audiência pública entre os dias 14 de março e 22 de abril, com sessão presencial na Aneel no dia 4 de abril.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Em nova coleção, Malwee aposta em versatilidade e moda atemporal

Marca apresenta peças atemporais como moletons, malhas texturizadas, calças jogger, jeans e tricôs clássicos para serem usados por vários invernos
Em nova coleção, Malwee aposta em versatilidade e moda atemporal
Geral

Guaramirim e Schroeder firmam parceria para manutenção da rua Rio de Janeiro

A partir de agora, os municípios irão dividir custos para manutenção e disponibilização de material/equipamento para a manutenção da via. 
Guaramirim e Schroeder firmam parceria para manutenção da rua Rio de Janeiro
Economia

Corupá está com vagas de trabalho abertas

Confira as oportunidades de emprego nas empresas do município
Corupá está com vagas de trabalho abertas
Economia

Entenda as mudanças da PEC Emergencial

Proposta reinstitui auxílio em troca de medidas de ajuste fiscal
Entenda as mudanças da PEC Emergencial
Ver mais de Economia