Dia internacional das Mulheres
ECONOMIA

Aneel aprova reajuste de 9,70% nas tarifas da Enel Distribuição Rio

12 Mar 2019 - 14h16Por Anne Warth

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira, 12, um reajuste médio de 9,70% nas tarifas da Enel Distribuição Rio (antiga Ampla). Para consumidores conectados à alta tensão, o aumento será de 9,65%, e para a baixa tensão, a alta será de 9,72%.

A Enel Distribuição Rio atende a 3,1 milhões de unidades consumidoras em Niterói e outros 65 municípios do Rio de Janeiro, na região dos Lagos e no Norte Fluminense. As novas tarifas vigoram a partir de 15 de março.

A diretora Elisa Bastos Silva destacou o peso dos impostos na tarifa de energia da Enel Distribuição Rio. Ela mencionou que a alíquota do ICMS no Rio de Janeiro é de 23,9%, e a de tributos federais, como PIS e Cofins, é de 5,50%, o que aumentou a conta de luz da distribuidora em 41,6%.

"Temos que nos comprometer com o esforço de conter a alta das tarifas de energia. Isso é insumo básico para todas as atividades da sociedade. Isso não pode ser um esforço só da Aneel, mas também dos governos estaduais e federais", disse a diretora.

O reajuste considerou o cálculo de um novo índice de perdas não-técnicas, que basicamente, diz respeito aos furtos de energia - popularmente chamados de gatos. No ano passado, a Aneel havia considerado um índice provisório para as perdas e também para a base de remuneração da concessionária.

Em toda a revisão, a Aneel define um índice considerado aceitável, pelo qual a empresa será remunerada, por meio das tarifas pagas pelos consumidores. Acima disso, a perda vira despesa da própria distribuidora e não pode ser cobrada nas tarifas.

Diante da elevada quantidade de áreas nos municípios do Rio de Janeiro, onde a empresa não consegue entrar para fazer reparos devido situações de ameaça a seus funcionários, a Aneel definiu um índice de perdas para áreas de risco e para áreas sem risco, o que resultou numa tolerância maior para a empresa. Até então, o índice era de 18,54%, considerando áreas de risco e sem risco.

Em 2019, para áreas de risco, esse índice será de 11,94%, caindo para 11,53% em 2020; 11,12% em 2021; e 10,71% em 2022. Para áreas sem risco, esse índice será de 7,86% de 2019 a 2022. Considerando áreas de risco e sem risco, o índice global será de 19,80% em 2019; 19,39% em 2020; 18,98% em 2021; e 18,57% em 2022.

Já a base de remuneração da companhia foi elevada em R$ 20,818 milhões, o que gerou um impacto de alta de 0,44% na tarifa da empresa.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Em nova coleção, Malwee aposta em versatilidade e moda atemporal

Marca apresenta peças atemporais como moletons, malhas texturizadas, calças jogger, jeans e tricôs clássicos para serem usados por vários invernos
Em nova coleção, Malwee aposta em versatilidade e moda atemporal
Geral

Guaramirim e Schroeder firmam parceria para manutenção da rua Rio de Janeiro

A partir de agora, os municípios irão dividir custos para manutenção e disponibilização de material/equipamento para a manutenção da via. 
Guaramirim e Schroeder firmam parceria para manutenção da rua Rio de Janeiro
Economia

Corupá está com vagas de trabalho abertas

Confira as oportunidades de emprego nas empresas do município
Corupá está com vagas de trabalho abertas
Economia

Entenda as mudanças da PEC Emergencial

Proposta reinstitui auxílio em troca de medidas de ajuste fiscal
Entenda as mudanças da PEC Emergencial
Ver mais de Economia