dengue
ECONOMIA

Ana Paula Vescovi é cotada para assumir presidência da Caixa

07 Nov 2018 - 21h32Por Adriana Fernandes

O nome da secretária-executiva do Ministério da Fazenda, Ana Paula Vescovi, está sendo aventado para a presidência da Caixa Econômica Federal, segundo apurou o Broadcast.

Considerada linha dura, Vescovi é presidente do conselho de administração da Caixa, onde bateu de frente com o comando do banco para promover mudanças profundas nas vice-presidências e cargos de direção.

Apesar da nítida melhora na Caixa, ainda resta muita coisa a fazer para diminuir a influência política histórica no banco.

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, também é cotado para permanecer no governo, mas ainda não foi convidado formalmente, segundo fontes.

O futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, tem conversado com muitas pessoas para formar a sua equipe e segundo interlocutores, está com o "pé no chão", mas ainda não há decisão.

Na conversa de terça-feira de Guedes com o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, não houve convite formal. A conversa girou sobre termas fiscais e da Fazenda e problemas que ainda preocupam a atual equipe econômica, como a agenda de reformas, principalmente a da Previdência.

O Ministério da Fazenda fez o Livro Branco da transição e a parte do Tesouro é um capítulo de 90 páginas. Em uma das seções, o Tesouro levantou vários riscos fiscais que precisam ser acompanhados e mudanças institucionais que podem ser importantes.

Mansueto deverá participar nesta quinta-feira de uma reunião de transição sobre a pauta fiscal. Paulo Guedes está conversando também com várias pessoas do governo para organizar melhor a transição e as reuniões da equipe.

Guedes delineou na reunião com Guardia um plano de voo com ideias ousadas, mas consideradas positivas pela Fazenda. O futuro ministro tem o foco de manter o teto de gastos e fazer o ajuste fiscal pelo lado da despesa, o que exigirá aprovação da reforma da Previdência.

As mudanças institucionais com a junção dos ministérios da Indústria, Fazenda e Planejamento foram temas da reunião. A aposta é que trazer MDIC para a área de economia pode facilitar a coordenação da agenda macroeconômica com a agenda micro e de maior integração comercial. Nesse caso, o ganho maior aqui não é redução de custo, mas sim maior organicidade e melhor coordenação.

No governo, por exemplo, gastou-se muito tempo para reduzir conteúdo local e algumas batalhas foram perdidas com o MDIC devido esse descasamento entre a área econômica e a sua pauta setorial. Isso agora deve diminuir porque, ao final, o ministro da Economia vai tomar a decisão.

Matérias Relacionadas

Economia

Pesquisa de preços mostra variação da cesta básica em Jaraguá do Sul

Tomate teve aumento de quase 30% neste mês em relação ao levantamento de maio
Pesquisa de preços mostra variação da cesta básica em Jaraguá do Sul
Geral

Guaramirim define prazo para isenção de Imposto Rural em Perímetro Urbano

Agricultores devem solicitar isenção até 11 de novembro
Guaramirim define prazo para isenção de Imposto Rural em Perímetro Urbano
Geral

Polícia Federal abre investigação sobre leilão de arroz

Conab também instaurou uma apuração interna
Polícia Federal abre investigação sobre leilão de arroz
Economia

Setor de serviços cresce 0,5% de março para abril no país, revela IBGE

É a segunda alta consecutiva do indicador
Setor de serviços cresce 0,5% de março para abril no país, revela IBGE
Ver mais de Economia