Dia internacional das Mulheres
ECONOMIA

Abrir capital bloqueia corrupção, diz Guimarães

13 Mar 2019 - 12h15Por Murilo Rodrigues Alves e Adriana Fernandes

Disposto a abrir o capital de quatro divisões da Caixa Econômica Federal no mercado americano, o presidente do banco, Pedro Guimarães, acredita que a operação é uma "blindagem" contra a corrupção. Com as Ofertas Públicas Iniciais (IPOs, na sigla em inglês), Guimarães diz que a Caixa e os seus dirigentes estarão "expostos" ao mercado, que fará suas cobranças.
Ele lembra que a lei americana Sarbanes-Oxley exige um nível de exposição dos executivos muito maior que no Brasil. "A abertura de capital nos Estados Unidos é blindagem para o futuro e legado em termos de governança", diz. "Quando você lista uma empresa nos EUA, o legado em termos de governança é outro, inclusive para os dirigentes, que podem ser presos. A lei é extremamente dura com os executivos", avalia.
Ao Estado, Guimarães afirma que a expectativa de receita de R$ 15 bilhões com os IPOs das áreas de cartão, seguridade, loteria e gestão de ativos de terceiros (asset) "é o piso". Segundo ele, esse valor pode aumentar, a depender do porcentual de oferta de ações que será oferecido nas operações. O governo avalia uma oferta entre 15% e 30%. "Não quero falar um número mais alto para não dizer que, se o valor ficar R$ 1 bilhão abaixo, teve problema. Esse número leva em conta uma abertura menor, de 15% a 20%", explica.
Guimarães disse que a discussão de valor envolve uma decisão do ministro da Economia, Paulo Guedes, e do secretário especial de Desestatização, Salim Mattar. Segundo ele, a venda de uma fatia muito grande na abertura de capital tende a deixar o preço mais baixo. Por isso, a opção pode ser fazer novas ofertas de ações após o IPO.
Com os recursos levantados nas aberturas de capital, a Caixa espera pagar os empréstimos obtidos com o Tesouro. O valor da dívida soma R$ 40 bilhões e a meta para devolução do dinheiro são quatro anos.
O cronograma é fazer os IPOs das áreas de seguridade e cartões no segundo semestre, e de loterias e asset no primeiro semestre de 2020.

Consignado
O banco vai lançar em abril um cartão de crédito consignado. A meta é ter 20 milhões de cartões nos próximos quatro anos. Atualmente, a Caixa tem 96 milhões de cartões de débito e apenas 5 milhões de crédito, marca que mostra a ineficiência do banco no segmento. Para Guimarães, também é inaceitável que a instituição, que tem 100 milhões de clientes, não possua sua própria marca de "maquininhas". "Como o maior banco do Hemisfério Sul recebe zero em pré-pagamento? Vou ter um adquirente e uma participação na receita de recebíveis", informou Guimarães.

Crédito
Outra meta é atingir com microcrédito 40 milhões de brasileiros, que trabalham e estão longe do mercado formal e tomam dinheiro a um custo caro. "Pessoal de menor renda que tem poucos produtos, e produtos muito caros, é o nosso foco", avisa.
Ele defende ainda uma maior competição com a entrada dos bancos estrangeiros, principalmente nos empréstimos aos Estados. Hoje, a Caixa é a maior credora dos governos estaduais.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Em nova coleção, Malwee aposta em versatilidade e moda atemporal

Marca apresenta peças atemporais como moletons, malhas texturizadas, calças jogger, jeans e tricôs clássicos para serem usados por vários invernos
Em nova coleção, Malwee aposta em versatilidade e moda atemporal
Geral

Guaramirim e Schroeder firmam parceria para manutenção da rua Rio de Janeiro

A partir de agora, os municípios irão dividir custos para manutenção e disponibilização de material/equipamento para a manutenção da via. 
Guaramirim e Schroeder firmam parceria para manutenção da rua Rio de Janeiro
Economia

Corupá está com vagas de trabalho abertas

Confira as oportunidades de emprego nas empresas do município
Corupá está com vagas de trabalho abertas
Economia

Entenda as mudanças da PEC Emergencial

Proposta reinstitui auxílio em troca de medidas de ajuste fiscal
Entenda as mudanças da PEC Emergencial
Ver mais de Economia