transito
ECONOMIA

ABCR: fluxo de veículos em estradas com pedágio sobe 0,1% em janeiro, com ajuste

10 Fev 2020 - 11h19Por Francisco Carlos de Assis

As passagens de veículos pelas praças de pedágio em janeiro ficaram praticamente estáveis em relação a dezembro de 2019, com um ligeiro crescimento de 0,1%, descontados os efeitos sazonais, segundo o Índice ABCR de Atividade da Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR), calculado pela Tendências Consultoria Integrada.

O índice mede o fluxo de veículos nas estradas sob concessão e é considerado importante indicador antecedente de produção industrial, pela movimentação de cargas pelos veículos pesados, e termômetro de renda, pelo volume de circulação dos veículos de passeio.

Seguindo a mesma base de comparação, mensal e dessazonalizada, o índice de fluxo de veículos leves nas estradas com pedágio apresentou queda de 0,3%. O de pesados avançou 1%.

"Em janeiro, o indicador total de fluxo manteve-se praticamente estável considerando as métricas de curtíssimo prazo", afirma Thiago Xavier, analista da Tendências Consultoria. "Especificamente na série dessazonalizada, a estabilização do índice total representa interrupção das perdas nos últimos meses", emenda Xavier.

Ainda sob esse ponto de vista, diz o economista, a ligeira alta no tráfego de veículos pesados evidencia que a atividade econômica emite sinais de que inicia 2020 com ritmo de expansão semelhante ao do final de 2019.

Os recentes aumentos nos preços de diferentes tipos de combustíveis podem ter sido fator limitante ao crescimento do tráfego de veículos leves nas estradas pedagiadas nos últimos meses, aponta Xavier.

Na comparação de janeiro deste ano com igual mês no ano passado, o fluxo total de veículos pelas estradas administradas pela iniciativa privada ficou estável. A circulação dos leves recuou 0,2% e a dos pesados cresceu 0,5%.

No acumulado de doze meses encerrados em janeiro, o fluxo total de veículos pelas praças de pedágio cresceu 3,3%. O dos leves aumentou 3,2% e o dos pesados, 3,8%.

Matérias Relacionadas

Economia

Rendimento domiciliar do brasileiro chegou a R$ 1.848 em 2023

Valor é o maior já apurado no país pelo IBGE desde 2012
Rendimento domiciliar do brasileiro chegou a R$ 1.848 em 2023
Economia

Estado volta a ser destaque em pauta de exportação de bens de capital

O segmento mostrou valorização nos preços médios de janeiro a março na comparação com o primeiro trimestre de 2023, segundo análise do Observatório FIESC.
Estado volta a ser destaque em pauta de exportação de bens de capital
Economia

Senado aprova isenção de IR para quem ganha até dois salários mínimos

Aprovado na Câmara, texto irá à sanção presidencial
Senado aprova isenção de IR para quem ganha até dois salários mínimos
Economia

Governo propõe salário mínimo de R$ 1.502 em 2025

Reajuste segue previsão de 3,25% do INPC mais alta de 2,9% do PIB
Governo propõe salário mínimo de R$ 1.502 em 2025
Ver mais de Economia