ECONOMIA

43,4% aprovam a reforma da Previdência e 45,6% desaprovam, diz pesquisa CNT/MDA

26 Fev 2019 - 13h40Por Julia Lindner

A população está dividida em relação à reforma da Previdência. Segundo pesquisa CNT/MDA, divulgada nesta terça-feira, 45,6% da população rejeitam a proposta e 43,4% aprovam a matéria. Outros 11% não sabem ou não quiseram responder.

A proposta de reforma da Previdência do governo Jair Bolsonaro foi encaminhada ao Congresso na semana passada e é considerada uma das principais apostas da equipe econômica para este ano.

Nesta terça, Bolsonaro tem uma reunião com líderes partidários para discutir a reforma. Depois de quase dois meses de gestão, o presidente percebeu que precisa abrir um canal eficiente de diálogo com essas lideranças para conseguir colocar seus projetos em andamento no Congresso Nacional.

Para esta pesquisa, foram realizadas 2.002 entrevistas em 137 municípios de 25 Unidades da Federação entre os dias de 21 e 23 de fevereiro.

A margem de erro é de 2,2 pontos porcentuais, considerando o nível de confiança de 95%.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Saúde

Decreto estadual mantém medidas contra a Covid-19 por mais duas semanas

Todas as atividades deverão observar os protocolos e regramentos sanitários específicos estabelecidos pela Secretaria de Estado da Saúde
 Decreto estadual mantém medidas contra a Covid-19 por mais duas semanas
Geral

Jaraguá do Sul é destaque no Dia Mundial da Reciclagem

Dados de uma pesquisa referente ao ano de 2020, revelaram que 91% da população entrevistada em nosso município pratica a reciclagem em suas residências.
Jaraguá do Sul é destaque no Dia Mundial da Reciclagem
Economia

Senado aprova suspensão no aumento de preço de medicamentos em 2021

Texto determina a reversão de reajustes já aplicados neste ano
Senado aprova suspensão no aumento de preço de medicamentos em 2021
Economia

Programa de redução de salário preserva 1,5 milhão de empregos

Empresas de serviço e de comércio têm usado mais programa do governo
Programa de redução de salário preserva 1,5 milhão de empregos
Ver mais de Economia