Unimed

Ganhei peso durante a pandemia, e agora? Especialista dá dicas para voltar à forma com saúde

01 Mar 2021 - 10h14Por Cristiane Molon

O último ano foi pautado por mudanças de rotina. Por causa das restrições provocadas pela pandemia do novo coronavírus, o home office ganhou ainda mais popularidade, assim como o delivery e os exercícios físicos improvisados em casa ou em ambientes externos. Tudo isso, associado ao estresse que o período trouxe, impactou a saúde e também a forma física dos brasileiros. 
 
Ao contrário do que ocorreu em outras nações, principalmente, asiáticas, no Brasil, o ganho de peso acabou se tornando um problema a mais para lidar durante as restrições impostas pela Covid-19. Pesquisas globais indicam que o país tem o maior contingente de pessoas que acreditam ter engordado ao longo dos últimos meses. 
 
Conforme a médica nutróloga Cristiane Molon, a matemática é simples: na pandemia, houve aumento no consumo de calorias, em geral, por causa do excesso de alimentos industrializados, e diminuição na prática de exercícios físicos.

“Agora, não tem outro jeito, precisamos virar o jogo, assumir as rédeas da vida e começar a mudar os pequenos hábitos novamente”, enfatiza. 

Para quem sofre com os quilos extras, a especialista sugere mexer o corpo. “Não importa como e nem onde. Corpo em movimento, é um corpo saudável. Já corpo parado, é tenso, cheio de dores e envelhece mais rápido”, explica. 
 
Paralelamente, deve-se fazer adequações na alimentação. Com as recomendações de distanciamento social, ficar em casa passou a fazer parte do cotidiano e, por isso, os lanches intermediários também entraram para a rotina, assim como a repetição nas principais refeições do dia a dia. 
 
Uma forma de compensar, de acordo com a médica, é comer apenas até se sentir satisfeito e dispensar a sobremesa.

“É melhor sobrar comida no prato do que sobrar no seu metabolismo e ele ter que dar conta de tudo isso”, alerta. Para complementar, vale ainda aumentar a ingestão de água e priorizar alimentos naturais e proteínas magras, sempre de forma intuitiva, reconhecendo as necessidades do próprio organismo. 

Por fim, a nutróloga também chama atenção à necessidade de ter um sono de qualidade. Com ele, é possível regular os hormônios e ter dias melhores e produtivos.