Coronavírus x perda de olfato

A diminuição da capacidade olfativa é um sintoma comum em diversos pacientes com Covid-19

10 Jun 2020 - 09h37

Para quem possui o olfato bem definido é praticamente impossível imaginar não sentir o cheiro do café, daquele pão saindo do forno ou de um perfume agradável. Porém, esse sentido pode ficar prejudicado para as pessoas diagnosticadas com o novo coronavírus. O sintoma percebido pelo público infectado tem gerado inúmeras pesquisas pelo mundo. 

De acordo com os estudos, a relação entre a diminuição da capacidade olfativa e a doença é algo a ser observado, já que é possível detectar o estágio da doença e como poderá ser realizado o tratamento. Existem dois tipos de perda de olfato: a temporária, causada por uma gripe, crises alérgicas ou resfriados, e a permanente, em casos pós-traumáticos de longa data ou pela idade avançada, por exemplo.

Dentro da mucosa nasal, neurônios captam os variados cheiros e jogam para o cérebro, decodificando-os. Como o vírus penetra pelas vias áreas, ele vai infectar a mucosa do nariz e isso pode prejudicar o funcionamento desses neurônios encarregados de recolher as informações do meio, gerando a perda de olfato. 

Por isso, fique atento! Ao primeiro sinal de perda de olfato, procure ajuda médica.