Zumbido no ouvido: como evitar?

Em geral, ele é percebido a partir de sons irritantes, parecidos com barulhos de mosquitos

03 Set 2019 - 07h00Por Marcio Freitas

Um barulhinho incessante, que parece nunca dar trégua, e que acaba virando uma companhia constante e bastante incômoda. O zumbido no ouvido é assim e atrapalha muito a vida dos pacientes. 

Em geral, ele é percebido a partir de sons irritantes, parecidos com barulhos de mosquitos. A motivação costuma estar relacionada à perda auditiva, mas também são conhecidos alguns fatores adicionais e, por isso, é preciso estar atento aos sinais e contar com acompanhamento médico para identificá-los da maneira correta. 

Como eles surgem? As partes intactas do ouvido trabalham dobrado para compensar a falta de audição, por isso, os ruídos aparecem. Esse incômodo pode ser passageiro ou acompanhar a pessoa pelo resto da vida. Além de problemas no sistema auditivo, ele pode estar relacionado a alterações metabólicas, hormonais, psicológicas, odontológicas, cardiovasculares ou musculares da região de cabeça e pescoço. O sintoma também pode ser provocado por doenças neurológicas e distúrbios psiquiátricos.

Consumir açúcar, sal e cafeína em excesso, assim como sofrer de hipertensão, diabetes e colesterol elevado, eleva o risco do problema. O uso abusivo de fones de ouvido, acúmulo de cera, erros na articulação da mandíbula, infecções, tabagismo e álcool também podem desenvolver os zumbidos. 

Por outro lado, ter uma alimentação saudável e praticar atividade física regularmente são hábitos que ajudam a prevenir o surgimento do problema. Além disso, cuidar com o volume e frequência do fone de ouvido é outra dica importante e essencial.