Vasectomia: quando a reversão é possível

Segundo estimativas, de 4% a 6% dos homens que realizaram vasectomia voltam a manifestar o desejo de ter filhos

05 Set 2019 - 07h00Por Raphael Lahr

A vasectomia vem, cada vez mais, ganhando espaço entre os homens. Afinal, o planejar o tamanho da família é um assunto que entra na pauta de casais de todo o mundo e, no Brasil, não é diferente. 

Simples, o procedimento exige apenas uma anestesia local e tem rápida recuperação. Além disso, é sempre importante frisar que a cirurgia não deixa o homem impotente, não altera o desejo sexual e nem o desempenho sexual. 

O mais importante, porém, é ter certeza em relação ao desejo de não gerar outras crianças. Por isso, o procedimento pode ser realizado por qualquer um, desde que com mais de 25 anos de idade ou com, pelo menos, dois filhos vivos. Em contrapartida, não é indicado quando se tem dúvidas. 

Segundo estimativas, de 4% a 6% dos homens que realizaram vasectomia voltam a manifestar o desejo de ter filhos. Nesses casos, a alternativa é a reversão. Entretanto, quanto mais tempo após a realização da vasectomia, menor a chance de sucesso. Questões como qualidade da cicatrização do paciente e produção testicular de espermatozoides também devem ser levadas em consideração. Dessa forma, a melhor indicação é consultar um urologista de confiança. Cabe a ele verificar cada caso. 

A cirurgia consiste na religação dos canais que conduzem os espermatozoides. O procedimento exige o uso de microscópio cirúrgico, fios e instrumentais de microcirurgia, levando mais tempo do que a vasectomia para ser concluída.