Rodapé, item de valorização dos ambientes

São três os principais tipos de rodapés: o convencional, o embutido e o invertido.

16 Out 2019 - 08h30Por Eixo 11 Arquitetura

Até um tempo atrás, não era atribuído ao rodapé a função decorativa, era utilizado apenas para proteger a parede contra a água, choques e acúmulo de sujeira. Com o passar do tempo, foram adquirindo novas cores, materiais, formatos e detalhes, e hoje são um importante item da decoração de um ambiente.

         São três os principais tipos de rodapés: o convencional, o embutido e o invertido. O convencional é aquele aplicado sobreposto a parede, ficando saliente a ela, sendo o de mais fácil instalação e consequentemente o de menor valor. O rodapé embutido fica nivelado com a parede, possuindo a vantagem de não acumular sujeira no topo da peça. Por sua vez, o rodapé invertido é o menos utilizado, por possuir uma instalação especializada, utilizando uma cantoneira metálica embutida na parede, criando o efeito de “parede flutuante”.

         Há diversos materiais que podem ser aplicados para os acabamentos na parte inferior das paredes. A utilização de rodapés de madeira ou mdf é o mais tradicional, são colados ou aparafusados e combinam com os mais variados tipos de estilos e cores, porém deve-se tomar cuidado com a utilização de água. Rodapés de porcelanato ou cerâmica são os que mais duram e mais fáceis de combinar, uma vez que existe opções da mesma cor dos pisos.

         Em ambientes úmidos, o material mais recomendado seria os de plástico, sendo aplicados em banheiros, cozinhas e sacadas, protegendo com estilo. Pedras como mármore e granito também são utilizadas como rodapé, sendo mais utilizados nas cozinhas, onde combinam com outras pedras já utilizadas, conferindo sofisticação ao ambiente.

         O rodapé ecologicamente correto é o de poliestireno, sendo produzidos com material reciclável, resistentes a água e de fácil instalação. Há também os rodapés de gesso, que devido a fragilidade do material, hoje está em desuso, dando lugar aos outros materiais mais resistentes, sendo mais utilizados como rodatetos atualmente.

         Não há obrigatoriedade do rodapé seguir o mesmo padrão do piso, mas deve estar em sintonia com o mesmo. Atualmente está em voga os rodapés mais altos, principalmente em ambientes com pé direito mais elevado. Em ambientes muito expressivos ou quando pretende-se ampliar o pé direito, a dica é combinar o rodapé com a cor da parede, já quando se utiliza rodapé da mesma cor do piso, o efeito é oposto. A dica do dia vai para os indecisos, os rodapés de cor branca são um coringa, combinando com praticamente todos os ambientes, pisos e acabamentos.

         Existem ainda os Rodatetos e Rodameios. Rodateto é aplicado na parte superior da parede, na junção da parede com o teto, o principal material utilizado é o gesso, mas podem ser também de madeira, pvc, poliestireno. Rodameio é uma moldura aplicada no meio da parede, com a intenção de separar a parte superior da inferior, conferindo um ar mais retro e vintage, pois eram muito utilizados nas casas antigas dos Estados Unidos e Europa.