Renault Captur muda na Europa e refina o design que já era muito bom

...porta-malas tem capacidade para 536 litros, que a fabricante diz ser o maior da categoria

06 Jul 2019 - 06h00Por Rafael Benkendorf

Após o novo Clio ser apresentado na Europa, a Renault traz a nova geração do Captur. Diferente do modelo brasileiro, que usa a plataforma do Duster, a versão europeia é montada com a base CMF-B, com 85% de peças novas comparado com seu predecessor, além de estar mais leve, com melhor aerodinâmica e mais eficiente.

O novo Captur europeu é 11 centímetros mais longo do que a geração passada, enquanto o entre-eixos cresceu 2 cm. Isso faz com que tenha 4,23 metros de comprimento e 2,63 m de entre-eixos. Dependendo da versão, pode usar rodas de até 18" e faróis full-LED. No lançamento, terá 11 opções de cor para carroceria, quatro cores para o teto e três escolhas de acabamento interno, resultando em 90 combinações possíveis - algo que a Renault diz ser único no segmento.

A assinatura em LED de iluminação diurna em forma de "C" foi mantida, combinando bem com seu para-choque dianteiro. As lanternas têm formado similar e dão um visual distinto ao Captur com frisos cromados nas laterais traseiras. Se quiser mais mimos, a Renault equipa o carro com rack no teto ou com teto-solar.

O Captur europeu segue mesmo estilo de painel interior do Clio. O painel é dominado por uma tela vertical bem grande e, logo abaixo dela, estão os controles do ar-condicionado. Uma das diferenças entre o crossover e o hatch é o chamado "console voador", na área onde fica a alavanca do câmbio, mais elevada para melhorar a ergonomia e liberar espaço para os porta-objetos.

Seu porta-malas tem capacidade para 536 litros, que a fabricante diz ser o maior da categoria. É um belo aumento, até mesmo em comparação ao modelo nacional, que é mais comprido e tem 437 litros. Ainda há mais 27 litros de espaço dividido entre os porta-objetos no interior. O sistema de som Bose, vendido como opcional, ainda coloca um subwoofer extra no porta-malas.

Os motores turbo 1.0 e 1.3 a gasolina, com potência entre 100 cv e 156 cv entram na vida do Captur feito na europa. Lá fora ainda exite a opção diesel de 1.5 dCi nas versões de 96 cv e 115 cv. Serão oferecidos os câmbios manuais de 5 ou 6 marchas, além do automatizado de dupla embreagem e 7 posições. Uma versão híbrida plug-in com autonomia de 45 km no modo puramente elétrico também fará parte da gama em 2020.

Divulgação e fotos: Renault