Namorados X Casados

Primeiro é preciso entender que a paixão é passageira e que o amor é uma decisão, ou seja, uma escolha a ser feitas todos os dias

22 Mai 2019 - 07h00Por Karin Petermann

O namoro é uma época bem divertida né? Aquele frio na barriga, ansiedade por encontrar a pessoa, não conseguir parar de pensar nele. A paixão nos consome e nos desconcentra. A paixão dura de seis meses a dois anos, e sem saber dessa estatística, casamos acreditando que sempre iremos nos sentir nas nuvens.

É fechar a porta da lua de mel para encontrar a realidade, toalhas em cima da mesa, cuecas jogadas no chão e aquele pensamento positivo: “É só porque estamos em lua de mel, em casa será diferente”. O tamanho da nossa expectativa determina o grau da nossa decepção. A realidade da rotina é bem mais árdua: normalmente trabalhar fora, cuidar da casa e do marido, parece simples e que se resume a três atividades, mas elas são mais complexas do que parece.

No namoro, vocês marcavam para se encontrar e todas as demais coisas eram feitas antes ou depois do encontro. Já no casamento, a vida acontece tudo ao mesmo tempo. Há expectativas de que o marido lhe ajude em casa, enquanto da parte dele há expectativas de chegar em casa e sentar no sofá para distrair a mente. Você não entende como pode fazer isso com você já que há tantas coisas a serem feitas na casa. Você pede a ajuda e ele reclama com você.

Depois de um tempo, vocês se acostumam que a rotina é assim, e entram na vibe de “não vale a pena discutir por isso”, e muitas conversas deixam de existir por conta disso. Você percebe um certo afastamento da parte dele, a comunicação fica cada vez mais difícil. É como se existisse uma barreira entre vocês e até mesmo a relação amorosa começa a esfriar. Incertezas começam a turbilhar sua mente: “Acho que ele tem outra”, “Não foi para isso que me casei”, “Ele era meu tudo”, “Acho que deixamos de nos amar”.

Primeiro é preciso entender que a paixão é passageira e que o amor é uma decisão, ou seja, uma escolha a ser feitas todos os dias. Vocês não deixaram de se amar, apenas deixam de cultivar o amor. Para detonar as muralhas que se levantaram no casamento é preciso um primeiro passo: aperte o botão de explodir.

Seja humilde e esteja disposta a lutar pelo seu casamento. Para isso, comece nos pequenos detalhes, por exemplo:

  1. Quando ele iniciar um diálogo, ouça-o atentamente e segure-se para não o interromper.
  2. Não dê ultimatos – talvez eles até resolveram sua situação por um tempo, mas agora você vai agir diferente. Se a prateleira está aguardando seis meses para ser colocado no lugar e você gostaria muito que ele colocasse para você, encontre algo que ele já tenha feito e agradeça-o por ter feito aquilo. Um outro dia você lembra (delicadamente) sobre a prateleira e aguarda.
  3. Conheça os interesses dele – se ele gosta de futebol, peça para ele te ensinar as regras, como funciona os campeonatos e o porquê dele gostar daquele time.
  4. Não faça acusações pois isso o fará se silenciar ainda mais.

O casamento foi tão sonhado por você quanto por ele, vocês investiram muito tempo na conquista. Se as coisas esfriaram, não foi culpa apenas de uma pessoa. Assuma uma postura de reconquista e faça valer a pena. Procure aprender mais sobre casamento, relacionamentos e pessoas. Inspire-se em casais próximos a você e que você admira, que já tem 10, 30, 50 anos de casados.

Casamento é uma conquista diária, escolha amar intencionalmente seu esposo. A melhor maneira de fazer seu relacionamento crescer é investir em conhecimento e também em tempo. Aproveito para recomendar alguns livros sobre esse assunto: