Métodos minimamente invasivos: tratamento mais seguro e rápido

Com apoio da tecnologia e de profissionais qualificados, é possível tratar grande parte dos problemas com menos dor e mais eficiência.

07 Fev 2019 - 06h30Por Raphael Lahr

Estar com os exames rotineiros sempre em dia, manter-se atento aos sinais emitidos pelo corpo e procurar acompanhamento médico é essencial para a manutenção da saúde urológica. Com apoio da tecnologia e de profissionais qualificados, é possível tratar grande parte dos problemas com menos dor e mais eficiência. 
 
Assim como outras áreas da medicina, a urologia também tem se beneficiado de métodos minimamente invasivos para tratar problemas nos rins, uretra, próstata e bexiga. Localmente, essas cirurgias já são realidade e apresentam cortes menores e menos danos aos músculos e tecidos, elas proporcionam uma recuperação mais rápida e saudável.
 
Todos os pacientes podem se submeter ao procedimento, que tem resultados significativos tanto para suspeitas de câncer e tumores nos órgãos do sistema urológico, quanto para cálculos renais. Com pequenos cortes, eles proporcionam uma série de benefícios e o mais importante deles é que o tempo médio de internação cai pela metade. Assim, se em uma cirurgia aberta o paciente leva em torno de 45 dias para retornar por completo às atividades, com a minimamente invasiva pode voltar à vida normal em apenas duas semanas. 
 
O método também reduz o risco de sangramento e a necessidade de possíveis transfusões sanguíneas. Por utilizar câmeras que ampliam em até 20 vezes a região a ser tratada, ele é considerado mais preciso e seguro