LOFT: um jeito diferente de morar

Definido como um ambiente sem paredes e com características industriais na decoração, os lofts também são muito confundidos com moradias no estilo estúdio, flat e quitinete

25 Dez 2019 - 08h30Por Eixo 11 Arquitetura

Definido como um ambiente sem paredes e com características industriais na decoração, os lofts também são muito confundidos com moradias no estilo estúdio, flat e quitinete. Em resumo, estúdios são apartamentos de aproximadamente 30m2 com edifício de localização privilegiada e serviços próximos que resultam em facilidades para os moradores, já quitinete são apartamentos de um cômodo um pouco maiores, com até 50m2.

Flats, por sua vez, são apartamentos um pouco maiores que um quarto de hotel com regalias semelhantes, e por fim, os lofts não possuem metragem específica, é caracterizado pelo pé direito alto (altura livre entre o piso e o teto maior que 3,20m), e também pelas amplas aberturas (janelas), tubulações aparentes, ambientes com materiais rústicos (concreto, madeira, tijolos e ferro) e ausência de paredes internas (exceto a do banheiro, claro).

A moradia estilo loft surgiu na década de 70 em Nova Iorque, quando foram reaproveitados galpões de fábrica, frigoríficos, armazéns e até salas de cinema para moradias e, apesar de não ser tão difundido no norte catarinense, são encontrados com maior facilidade nos grandes centros urbanos. Os lofts geralmente atraem o público jovem e casais sem filhos, mas não exclusivamente. Quem busca reduzir os custos de uma casa sem perder a amplitude, a liberdade e praticidade, e obviamente gostam do estilo proposto pelo loft, tornam-se adeptos desse modelo.

Os cômodos são divididos pelos móveis, enquanto nos apartamentos tradicionais utilizam-se paredes, o que possibilita reformas e mudanças muito mais fáceis e limpas, uma vez que não há objetos fixos (as paredes). O quarto geralmente encontra-se no mezanino, que é um andar intermediário, delimitando melhor seu espaço e mesmo assim incluindo-o no mesmo ambiente.