terça, 18 de junho de 2019 - 19h51
(47) 3371-1010Central (47) 3372-1010Ao Vivo

Hipotireoidismo: causas, sintomas e como tratar

Quanto maior é o nível de TSH, mais elevado é o colesterol LDL

20 Mai 2019 - 07h00Por Cristiane Molon
O hipotireoidismo é caracterizado pela baixa atividade da tireoide, que produz menos hormônios do que necessário para o funcionamento do organismo, deixando-o lento.
 
Os principais sinais e sintomas do hipotireoidismo são:
• Pele áspera e seca;
• Mãos e pés frios;
• Rosto, mãos e pés inchados;
• Cansaço, fraqueza;
• Intolerância ao frio;
• Queda de cabelo;
• Dificuldade de concentração;
• Prisão de ventre;
• Metabolismo lento, retenção de líquidos;
• Voz rouca.
 
Já as causas são diversas:
• Tireoidite de Hashimoto (autoimune);
• Deficiência de iodo, selênio, zinco etc;
• Estresse crônico, com alteração importante do cortisol;
• Tratamento para o hipertireoidismo;
• Uso de medicamentos como carbonato de lítio, amiodarona, propiltiouracil e metimazol;
• Gravidez.
 
Como funciona a glândula?
A hipófise, estrutura que fica no cérebro, produz o TSH, responsável por fazer a tireoide trabalhar. O TSH estimula a glândula tireoide para produzir T3 e T4, hormônios que determinam o ritmo de funcionamento do corpo inteiro. A tireoide produz principalmente o T4 que será transformado em T3, o hormônio ativo. O T3 atua em quase todos os órgãos e é essencial para a manutenção do metabolismo.
 
Quando a tireoide desacelera, produz pouco hormônio deixando todo o funcionamento do corpo lento. O principal nutriente para o funcionamento da tireoide é o iodo, elemento indispensável ao funcionamento do organismo. O mineral participa na formação de dois hormônios da glândula tireóide (tiroxina e triiodotiroxina). Esses hormônios são essenciais no desenvolvimento do organismo, agem sobre a maioria dos órgãos e das grandes funções: o sistema nervoso e cardiovascular, a termogênese (que nos permite conservar uma temperatura estável), os músculos esqueléticos, as funções renais e respiratórias.
 
Muitas vezes, o TSH está alto e o T4 e T3 dentro dos limites normais, mas os sintomas já são evidentes, chamamos de hipotireoidismo subclínico e merece atenção.  Existe também uma relação direta entre TSH e colesterol. Quanto maior é o nível de TSH, mais elevado é o colesterol LDL. Isso acontece porque os hormônios tireoidianos são essenciais no funcionamento do metabolismo das gorduras e do colesterol.
 
O TSH é muito sensível e apresenta flutuações antes de o T4 ser afetado. Altos níveis de estresse com alteração do cortisol, alteração hormonal relacionada com a menopausa e andropausa, insônia crônica, má alimentação, afetam diretamente o funcionamento da glândula.