Exposição frequente a barulhos pode causar perda auditiva irreversível

Televisão, fones de ouvido, aspirador de pó, máquina de lavar, liquidificador. Mesmo sem sair de casa, todas as pessoas, inclusive, as crianças, estão, frequentemente, expostas a ruídos nada agradáveis

13 Ago 2019 - 07h00Por Marcio Freitas

Televisão, fones de ouvido, aspirador de pó, máquina de lavar, liquidificador. Mesmo sem sair de casa, todas as pessoas, inclusive, as crianças, estão, frequentemente, expostas a ruídos nada agradáveis. Quando somados ao longo de anos, eles podem desencadear problemas auditivos irreversíveis em quem não toma precauções diárias. 

Alguns sinais indicam que a exposição ao ruído está excessiva e, dessa forma, tende a causar prejuízos. É preciso ficar alerta quando escutamos zumbido, tontura, piora gradativa da audição e irritabilidade após escutarmos barulhos intensos. 

Em geral, sons com intensidade superior a 80 decibéis causam problemas. Como meio de controle, existe uma tabela usada para limitar o volume de equipamentos de som, aparelhos eletrodomésticos e máquinas em geral. 

Além disso, vale ficar atento ao exagero do volume de aparelhos de uso doméstico, principalmente, aqueles conectados a fones de ouvido, muito utilizados pelas crianças também. Com o passar do tempo e de forma gradual, eles também causam perda auditiva. Por isso, é sempre indicado reduzir a exposição e respeitar os limites de decibéis indicados pelos especialistas. 

Saiba mais
Estima-se que, no Brasil, cerca de 15 milhões de pessoas possuem deficiência auditiva. No mundo, 10% da população são afetados pelo problema. Segundo estudos, 30% a 35% dos casos de perda auditiva são decorrentes da exposição a sons intensos, sejam eles em ambiente profissional ou em lazer (como shows ou aparelhos eletrônicos).