Unimed

Que figura!IV

Ler e entender para saber, crescer e aparecer!

14 Fev 2020 - 09h00Por Leoní Cimardi

 

A coluna desta semana, somada as suas três edições anteriores, trata das FIGURAS DE LINGUAGEM, que são recursos linguísticos importantes com função estilística utilizados para conferir maior expressividade a uma mensagem.

Mais especificamente, as “Figuras de Som”, também chamadas de “figuras de Harmonia”, são aquelas cuja construção está associada à sonoridade. Elas valorizam a expressividade do texto por meio da repetição e/ou reprodução de sons.

FIGURAS DE SOM

A ALITERAÇÃO é uma figura de linguagem que consiste na repetição de sons de consoantes iguais ou semelhantes. Ocorre geralmente, no início das palavras, que compõem versos ou frases, mas pode estar também no meio ou no fim. A aliteração é um recurso muito comum em ditados populares, versos folclóricos e brincadeiras infantis.

Exemplos:

* O rato roeu a roupa do rei de Roma.

* O peito do pé de Pedro é preto.

* Um tigre, dois tigres, três tigres.

* Três pratos de trigo para três tigres tristes.

Na poesia e na música, o uso de aliteração também é muito comum. Veja um fragmento poético de Manuel Bandeira:

Canção do vento e da minha vida

O vento varria as folhas, O vento varria os frutos, O vento varria as flores… E a minha vida ficava Cada vez mais cheia De frutos, de flores, de folhas.

[…]

A ASSONÂNCIA é caracterizada pela repetição harmônica de sons vocálicos. Essa repetição é feita principalmente na poesia, podendo aparecer também em pequenas frases na prosa. Habitualmente, são destacadas as sílabas tônicas das palavras, marcando uma regularidade vocálica ao longo do verso ou salientando a palavra final de verso, através da criação de rimas toantes. A assonância contribui, assim, para a melodia e musicalidade dos poemas.

Exemplos:

· A pálida lágrima da Flávia. / A boa boca da moça.

A assonância é frequentemente utilizada em conjunto com a aliteração (repetição de sons consonantais), contribuindo assim para a definição do ritmo do verso.

Exemplos:

· “Na messe, que enlourece, estremece a quermesse...” (Eugênio de Castro)

· “Berro pelo aterro

Pelo desterro

Berro por seu berro

Pelo seu erro”

(Caetano Veloso)

A PARONOMÁSIA (ou paranomásia) é uma figura de linguagem caracterizada pela utilização de palavras parônimas, ou seja, palavras com significados diferentes que se escrevem e se pronunciam de forma parecida.

Exemplos de palavras parônimas:

· acidente e incidente / aferir e auferir / cumprimento e comprimento / descrição e discrição / eminente e iminente / fluvial e pluvial / fragrante e flagrante / geminada e germinada.

Na paronomásica ocorre a realização de trocadilhos e jogo de palavras, com diversos intuitos: aumentar a expressividade e o caráter lúdico da mensagem, introduzir uma afirmação com duplo sentido, confundir o leitor,… é um recurso muito utilizado na publicidade e em textos humorísticos. Veja:

· O passarinho pousou e posou, sentindo-se uma águia.

· Se o dirigente fosse diligente, não haveria tanto incumprimento de prazos…

· Comemos fora todos os dias! A gente até dispensa a despensa.

· Você tem que ler muito, sobretudo se quiser escrever sobre tudo.

A ONOMATOPEIA é a inserção de palavras no discurso que imitam sons. Significa imitar um som com um fonema ou palavra. Ruídos, gritos, canto de animais, sons da natureza, barulho de máquinas e o timbre da voz humana fazem parte do universo das onomatopeias. Esse recurso aumenta a expressividade do discurso, motivo pelo qual é muito utilizado na literatura e nas histórias em quadrinhos. Também é muito empregada nos textos enviados pela internet. São exemplos os fonemas que expressam, por exemplo, o som do riso: “hahahaha, kkkkkk, rsrsrs”.

Veja algumas onomatopeias comuns:

· Tic-tac: som do relógio

· Toc-toc: som de bater na porta

· Sniff sniff: som de pessoa triste, chorando

· Buááá: ruído de choro

· Atchim: barulho de espirro

· Trimmmmmm: som de telefone

Mande suas dúvidas.

Entre um ponto e outro, tentaremos esclarecer a todos!