Séculus
SPC Brasil

Vendas a prazo no Natal caem mais de quinze porcento

29 Dez 2015 - 14h33

O comércio varejista registrou o Natal mais fraco no volume de vendas dos últimos cinco anos. De acordo com o indicador apurado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), as consultas para vendas a prazo registraram queda de 15,84% na semana que antecedeu o Natal, entre os dias 18 e 24 de dezembro. Trata-se do segundo ano consecutivo em que as parcelas parceladas apresentaram queda no período, mas em 2014 a contração havia sido um pouco mais branda de 0,7%. Nos anos anteriores as variações positivas foram de 2,97% em 2013; 2,37% em 2012; 2,33% em 2011 e 10,89% em 2010.


De acordo com a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, o resultado negativo já era aguardado pelos lojistas e reflete a tendência de desaquecimento das vendas no varejo observado ao longo de 2015, em virtude do cenário econômico desfavorável, com crédito mais caro, inflação elevada, aumento do desemprego e baixa confiança do consumidor para se endividar.

2015 foi um ano fraco para o comércio

As consultas para vendas a prazo no Natal repetiram o comportamento de baixa das demais datas comemorativas deste ano: a queda nas intenções de vendas parceladas também se repetiu no resultado do Dia das Crianças (-8,95%), Dia dos Namorados (-7,82%), Páscoa (-4,93%), Dia das Mães (-0,59%) e Dia dos Pais (-11,21%).

Segundo o presidente da CNDL, Honório Pinheiro, a queda no volume de vendas parceladas no comércio é consequência direta da crise econômica. "O comércio vendeu menos a prazo, mas não significa que o brasileiro deixou presentear. Os consumidores estão mais preocupados em não comprometer o próprio orçamento com compras parceladas, por isso optaram por presentes mais baratos e geralmente pagos a vista. Sem dúvida que este foi o Natal das lembrancinhas. Com o acesso ao crédito mais difícil, juros, inflação e desemprego elevados, o poder de compras do brasileiro ficou muito mais limitado para compras caras", diz Pinheiro.

Comércio aposta nas promoções

Na avaliação dos economistas do SPC Brasil, o movimento nas lojas nos últimos dias do ano e nas primeiras semanas de janeiro dependerá da criatividade dos lojistas e da atratividade das promoções. "Como essa é a famosa semana das trocas de presentes, a expectativa é de que as promoções reaqueçam o mercado até o final de janeiro. Com os tradicionais descontos, o comerciante tem a oportunidade de emplacar novas vendas para melhorar o fraco desempenho no Natal. A última semana do ano pode levar os brasileiros às lojas novamente e impulsionar o comércio com as compras de produtos para o Ano Novo, já que é tradição do brasileiro passar o Réveillon de roupa nova", afirma a economista Marcela Kawauti.


O Natal é considerado pelos lojistas a data comemorativa mais importante em faturamento e volume de vendas. Neste ano, por causa da crise econômica o SPC Brasil verificou em pesquisa junto a consumidores que o gasto médio por presente poderia cair 22%, já descontada a inflação. As roupas (67,2%), calçados (37,05), brinquedos (31,7%), perfumes e cosméticos (27,7%), acessórios, como cintos, bolsas e bijuterias (19,8%), livros (18,8%), celulares (13,9%) e videogames (9,06) lideravam a lista de produtos mais procurados para este Natal, de acordo com levantamento realizado pelo SPC Brasil.

Fonte: CNDL/SPC Brasil

GNet

Matérias Relacionadas

Economia

Auxílio Brasil: ministro diz que governo usará R$ 30 bi fora do teto

Comprometimento com equilíbrio fiscal será mantido, afirmou Guedes
Auxílio Brasil: ministro diz que governo usará R$ 30 bi fora do teto
Política

Senado aprova projeto que proíbe divulgação de infrações de trânsito

Retirar conteúdo de redes sociais não isenta infrator de penalidades
Senado aprova projeto que proíbe divulgação de infrações de trânsito
Economia

Dólar cai para R$ 5,56 com ambiente externo positivo

Bolsa fechou com pequena alta de 0,1% após discurso de Guedes
Política

CPI conclui depoimentos e marca para hoje leitura de relatório

Previsão é que o texto seja votado na próxima terça-feira
CPI conclui depoimentos e marca para hoje leitura de relatório
Ver mais de Brasil