Banner Proauto
Reajuste

Teto da aposentadoria deve chegar a R$ 5.531,31

12 Jan 2017 - 13h45
Os segurados do INSS que ganham mais que um salário mínimo (R$ 937) deverão ter um reajuste de 6,58% no benefício a partir de fevereiro, percentual referente ao INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) do ano passado.

Com isso, o teto das aposentadorias no País chegará a R$ 5.531,31 em 2017. O valor se refere à incidência dos 6,58% da inflação sobre o valor de R$ 5.189,82, praticado no ano passado. O aumento ainda precisa ser confirmado pelo Ministério da Previdência.

Se isso se confirmar, o reajuste dos benefícios acima de 1 mínimo será maior que o aumento do salário mínimo, que foi de 6,48% — passou de R$ 880 em 2016 para R$ 937 em 1º de janeiro deste ano. Seria a primeira vez que isso acontece em 20 anos.

Em 2016, o reajuste dos benefícios superiores ao salário mínimo foi de 11,28% — percentual correspondente ao INPC de 2015. Desde 2003, conforme a Lei 8.213/91, o INPC do ano anterior é usado como parâmetro para reajustar benefícios previdenciários acima do mínimo.

O reajuste de 6,58% na aposentadoria pelo INSS ficou abaixo da previsão do orçamento do governo, que esperava um INPC de 7,5%. Caso este índice se concretizasse, a aposentadoria máxima no País

 

r7
GNet

Matérias Relacionadas

Saúde

Anvisa: dois casos da variante Ômicron são identificados no Brasil

Instituto Adolfo Lutz vai fazer análise confirmatória
Anvisa: dois casos da variante Ômicron são identificados no Brasil
Política

Presidente Bolsonaro assina filiação ao PL

O ato de assinatura da ficha de filiação ocorreu na manhã de hoje
Presidente Bolsonaro assina filiação ao PL
Economia

Governo pede devolução de auxílio emergencial recebido indevidamente

Fraudes e irregularidades também podem ser denunciadas
Governo pede devolução de auxílio emergencial recebido indevidamente
Economia

Primeira parcela do décimo terceiro deve ser paga até hoje

Segunda metade deverá ser depositada até 20 de dezembro
Primeira parcela do décimo terceiro deve ser paga até hoje
Ver mais de Brasil