Imobiliária Coralli
Temer

Temer é citado em pedidos de abertura de 2 inquéritos, mas tem 'imunidade temporária'

12 Abr 2017 - 11h21

presidente Michel Temer foi citado nos pedidos de abertura de dois inquéritos relacionados às delações da Odebrecht, mas, em razão da "imunidade temporária" que ele possui, a Procuradoria-Geral da República (PGR) não o incluiu na "lista do Janot". O presidente não pode ser investigado por crimes que não aconteceram no exercício do mandato.

Imobiliária Coralli




O primeiro inquérito investiga dois ministros do atual governo por suspeita de pedir propina para a campanha eleitoral de 2014: Eliseu Padilha, ministro-chefe da Casa, e Moreira Franco, ministro da Secretaria-Geral da Presidência, ambos do PMDB. Segundo o Ministério Público, "há fortes elementos que indicam a prática de crimes graves, consistente na solicitação por Eliseu Padilha e Moreira Franco de recursos ilícitos em nome do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) e de Michel Temer, a pretexto de campanhas eleitorais".



O segundo investiga o senador Humberto Costa (PT-PE) por suspeita de recebimento de propina. Segundo documento assinado pelo ministro Luiz Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), há "menção à possível participação do atual presidente da República, Michel Temer, em virtude de suposta reunião da qual teriam participado Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves, ocorrida em 15 de julho de 2010 em São Paulo".



No mês passado, Marcelo Odebrecht, ex-presidente da Odebrecht, confirmou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que se reuniu com Temer para discutir doações para a campanha eleitoral de 2014. O ex-diretor de relações institucionais do Grupo Odebrecht, Claudio Melo Filho, já havia afirmado em delação premiada que foi acertada uma contribuição de R$ 10 milhões ao PMDB. Na época em que a informação veio à tona, o Palácio do Planalto informou que o presidente repudiava "com veemência" o conteúdo da delação de Melo Filho.



Na tarde desta terça-feira (12), o jornal "O Estado de S. Paulo" informou que Edson Fachin autorizou a abertura de 76 inquéritos, que envolvem 8 ministros, 24 senadores, 39 deputados e 3 governadores, além de 1 ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) e outras 23 pessoas, como base na delação da Odebrecht.


G1

Matérias Relacionadas

Geral

Evento online mostra que direcionar recursos a projetos sociais locais transforma comunidades

Evento online mostra que direcionar recursos a projetos sociais locais transforma comunidades
Segurança

PRF flagra papagaio silvestre preso em automóvel na BR 101 em Joinville

A ave, da espécie papagaio-verdadeiro, é nativa da fauna brasileira e protegida por lei
PRF flagra papagaio silvestre preso em automóvel na BR 101 em Joinville
Economia

Guedes prevê queda de 4% na economia este ano

Para o ministro, a atividade econômica está em recuperação no país
Guedes prevê queda de 4% na economia este ano
Esportes

Liga Nacional de Futsal: Fase de grupos se afunila

Na última semana, times confirmaram a boa fase, outros tropeçaram, alguns conseguiram se recuperar e há ainda quem, mesmo que a matemática não indique, poderá se classificar.
Liga Nacional de Futsal: Fase de grupos se afunila
Ver mais de Brasil