STF

STF nega pedido de Dilma por mais tempo para testemunhas de defesa

22 Jun 2016 - 11h09
O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, rejeitou ontem (21) recurso apresentado pela defesa da presidenta afastada Dilma Rousseff para que as testemunhas de defesa tenham mais que três minutos para responder aos questionamentos dos senadores da Comissão do Impeachment. De acordo com José Eduardo Cardozo, defensor de Dilma, o tempo não é suficiente.

Na decisão, o ministro entendeu que não pode interferir nas decisões tomadas pelo presidente da comissão, senador Raimundo Lira (PMDB-PB), que não há ilegalidades. Antes de recorrer ao Supremo, o mesmo pedido foi rejeitado pela comissão.

"Constato que não há ilegalidades a reconhecer ou nulidades a sanar, cumprindo, prestigiar-se o trabalho até aqui desenvolvido pelo presidente da comissão na inquirição de testemunhas", decidiu o ministro.

Na comissão, o presidente do Supremo atua como instância recursal das decisões proferidas no colegiado.

 

 

Agência Brasil

Matérias Relacionadas

Economia

Intenção de consumo das famílias cresce 0,3% em setembro, diz CNC

Foi a segunda alta consecutiva do indicador, que atingiu 92,5 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos, o melhor resultado desde fevereiro (98,5 pontos)
Intenção de consumo das famílias cresce 0,3% em setembro, diz CNC
Saúde

Contratações no setor de planos de saúde aumentam 3,4% em um ano

Número de beneficiários de planos de saúde teve queda no mesmo período
Contratações no setor de planos de saúde aumentam 3,4% em um ano
Trânsito

Em 2018, houve 69 mil acidentes em rodovias federais, diz pesquisa

Painel CNT registrou que 14 pessoas morreram por dia
Em 2018, houve 69 mil acidentes em rodovias federais, diz pesquisa
Política

Câmara retoma discussão de projeto que altera regras eleitorais

O texto regula a destinação de recursos do Fundo Partidário, autoriza o retorno da propaganda partidária semestral, e estabelece critérios para análise de inelegibilidade de candidaturas
Câmara retoma discussão de projeto que altera regras eleitorais
Ver mais de Brasil