Lava-jato

PF volta a mirar ex-presidente da Eletronuclear

06 Jul 2016 - 11h41
A Polícia Federal deflagrou na manhã de hoje (6) mais uma operação sobre desvios de empreiteiras nas obras da Usina Nuclear de Angra 3, no município de Angra dos Reis, no Rio de Janeiro. A unidade é gerida pela Eletronuclear, uma das subsidiarias da Eletrobras.

Um dos alvos é o ex-presidente da Eletronuclear Othon Luiz Pinheiro da Silva. Ele deixou o cargo no ano passado após ser citado em delações da Lava Jato e chegou a ser preso preventivamente, acusado de receber proprinas de até R$ 4,5 milhões. Othon depois teve concedida prisão domiciliar.

A Operação Pripyat, um desdobramento da 16ª fase da Lava Jato, investiga a atuação de um “clube de empreiteiras” no pagamento de proprinas ligadas às obras da usina. Segundo a PF, seis funcionários da empresa são alvo de prisão preventiva.

Cerca de 130 policiais cumprem também outros três mandados de prisão temporária e nove de condução coercitiva, além de 26 mandados de busca e apreensão. A ordens judiciais são cumpridas no Rio de Janeiro e no Rio Grande do Sul.

Os crimes investigados são de corrupção, peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro. Prypiat é o nome do município que foi arrasado pelo desastre da usina nuclear de Chernobyl, na Ucrânia, e hoje é uma cidade fantasma.

 

 

Agência Brasil

Matérias Relacionadas

Geral

Grupo Malwee é reconhecido como uma das empresas mais sustentáveis do Brasil

O Grupo Malwee, uma das maiores empresas de moda do país, foi reconhecido pela segunda vez, como uma das empresas mais sustentáveis do Brasil pelo Guia Exame de Sustentabilidade 2019.
Grupo Malwee é reconhecido como uma das empresas mais sustentáveis do Brasil
Educação

MEC levará internet a 24,5 mil escolas públicas

De acordo com a pasta, isso significa que 56% das escolas públicas passarão a estar conectadas no país. A medida deverá beneficiar 11,6 milhões de estudantes
MEC levará internet a 24,5 mil escolas públicas
Saúde

Casos de morte por dengue aumentam 5 vezes em relação ao ano passado

Em todo o país, 689 pessoas morreram de dengue até 12 de outubro
Casos de morte por dengue aumentam 5 vezes em relação ao ano passado
Geral

Proteção de dados deve ser regulada globalmente, diz historiador

Israelense Yuval Noah Harari esteve em evento de inovação em Brasília
Proteção de dados deve ser regulada globalmente, diz historiador
Ver mais de Brasil