Imobiliária Coralli
PF

PF negocia delação premiada com donos do Grupo Schahin

13 Set 2016 - 12h20
A Polícia Federal (PF) negocia com os donos do Grupo Schahin uma nova colaboração premiada, no contexto das investigações da Operação Lava-Jato, em Curitiba. A atual, do empresário Salim Schahin, um dos donos do conglomerado, foi firmada com o Ministério Público Federal (MPF) em novembro de 2015.

— Por prerrogativa que lhe é conferida por lei e pela plenitude das atribuições constitucionais investigativas expressamente conferidas à PF, esclareço que serão realizadas tratativas visando a possibilidade de celebração de acordo de colaboração premiada com executivos do grupo Schahin — afirmou o delegado Filipe Hille Pace.

O objetivo agora, de acordo com Pace, é esclarecer pagamentos identificados do grupo para Carlos Roberto Cortegoso, segundo maior fornecedor da campanha que reelegeu a presidente cassada Dilma Rousseff, e para um sobrinho do ex-ministro Delfim Netto.

À Procuradoria, Salim confessou ter concedido, em 2004, empréstimo de R$ 12 milhões para o PT, em nome do pecuarista José Carlos Bumlai. Um dos destinatários do dinheiro, segundo a força-tarefa da Lava-Jato, foi o empresário Ronan Maria Pinto, de Santo André (SP) — condenado por corrupção no governo do prefeito assassinado Celso Daniel (PT). Parte do valor foi usada por Ronan para a compra do jornal Diário do Grande ABC. O caso virou processo criminal, aberto pelo juiz Sergio Moro.

Pace relaciona "algumas transferências realizadas pelo grupo Schahin a empresas já investigadas na Lava-Jato, bem como a outras que, ao que parece, podem ter sido utilizadas de maneira ilícita". Entre elas estão a CRLS Consultoria e Eventos, de Cortegoso, e a LS Consultoria Empresarial Agro Pecuária e Comercial, de Luiz Appolonia Neto, sobrinho de Delfim.

Na disputa à reeleição de Dilma em 2014, Cortegoso recebeu R$ 24 milhões. Ele presta serviços ao PT, principalmente, por sua empresa Focal Comunicação Visual. A outra, CRLS, passou a movimentar valores acima dos declarados. O empresário é réu em processo aberto em São Paulo, resultado da Operação Custo Brasil, que apura desvios em contratos de empréstimos consignados dos servidores federais, por meio do Ministério do Planejamento.

O criminalista Guilherme San Juan Araújo, que defende Schahin, informou que não poderia comentar o caso. Márcio Decreci, que defende Cortegoso, disse que também não poderia comentar a investigação. Segundo ele, seu cliente nunca recebeu recursos ilícitos. As informações são do jornal

O Estado de São Paulo

Matérias Relacionadas

Esportes

Jaraguá perde de virada para o Umuarama

Resultado de 3 a 2 deixa o aurinegro dependendo de resultados paralelos para classificar
Jaraguá perde de virada para o Umuarama
Economia

Varejo deve crescer até 3% em novembro puxado pela Black Friday

Previsão é da FecomercioSP
Varejo deve crescer até 3% em novembro puxado pela Black Friday
Geral

Rio não terá desfile de blocos de rua no carnaval de 2021

Sem vacina contra covid-19, evento é inviável, dizem especialistas
Rio não terá desfile de blocos de rua no carnaval de 2021
Economia

Ministra da Agricultura diz que nova safra pode reduzir preço do arroz

Tereza Cristina disse que a pandemia desequilibrou o mercado de grãos
Ministra da Agricultura diz que nova safra pode reduzir preço do arroz
Ver mais de Brasil