transito
Brasil

Perfil João Amoêdo: discurso liberal e imagem de novidade

07 Out 2018 - 11h41
Ser candidato à Presidência da República nas eleições deste ano não era o projeto original do engenheiro João Amoêdo, quando ele deflagrou o processo de criação do partido Novo, em 2011. Aos primeiros amigos e aliados que abraçaram a proposta - a maioria egressa do mercado financeiro, assim como ele -, Amoêdo dizia que a meta era chegar ao poder em 2030. A ideia era formar uma bancada de deputados e ganhar musculatura antes de dar o salto mais alto.

Mas a Operação Lava Jato, o impeachment da presidente cassada Dilma Rousseff, a gravação de Aécio Neves pedindo dinheiro ao empresário Joesley Batista, dono da JBS, e a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (condenado em segunda instância na Lava Jato) precipitaram o calendário. Pragmático, Amoêdo passou a buscar um nome competitivo e que não tivesse conexão com o universo da política. Foi, então, que adotou um mantra que repete até hoje: "A mudança que a gente precisa não virá dos partidos que a gente tem".

A primeira abordagem foi a um amigo que tem uma casa ao lado da sua em Angra dos Reis, no litoral fluminense: o apresentador e empresário Luciano Huck. A ideia é que um outsider da política representaria a novidade que o eleitor espera, diante da crise de confiança que recai sobre os partidos tradicionais. A conversa, porém, não prosperou.

O segundo nome a ser sondado foi o do ex-técnico da seleção brasileira de vôlei, Bernardo Rocha de Rezende, o Bernardinho. Pressões familiares e de patrocinadores falaram mais alto, e ele também desistiu da empreitada. Foi, então, que Amoêdo decidiu entrar na disputa. Apresentou-se com uma plataforma radicalmente liberal embalada por uma estrutura partidária inovadora.

O Novo adotou um processo seletivo para escolher seus candidatos e submeteu os interessados a aulas e entrevistas. Com apenas 5 segundos em cada bloco do horário eleitoral dos presidenciáveis na TV, investiu pesado nas redes sociais. Ao todo, sua campanha gastou R$ 5 milhões, quase tudo arrecadado por meio de uma vaquinha virtual. Amoêdo se orgulha de não ter recorrido a sua fortuna pessoal, de R$ 425 milhões.

O candidato do Novo chegou aos 3% nas pesquisas de intenção de voto e deu a impressão de que poderia criar uma "onda laranja", mas não avançou além desse patamar. Chegar ao segundo turno seria superar a meta. A projeção do Novo é eleger 8 deputados federais. Em Minas Gerais, Romeu Zema, candidato da sigla ao governo, chegou aos 15% das intenções de voto, e disputa uma vaga no segundo turno. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Matérias Relacionadas

Política

Governador lidera comitiva em busca de novas parcerias com Portugal

A viagem está marcada entre os dias 8 e 14 de julho. O objetivo é fortalecer as relações entre o estado e o país europeu, explorando oportunidades de cooperação nas áreas de tecnologia, turismo e comércio
Governador lidera comitiva em busca de novas parcerias com Portugal
Esportes

Jaraguá Futsal vence Blumenau e continua no pelotão dos líderes da Liga Nacional

Com o resultado, o time jaraguaense figura na vice-liderança, com 24 pontos, mesmo número do Magnus que está na ponta pelo saldo de gols
Jaraguá Futsal vence Blumenau e continua no pelotão dos líderes da Liga Nacional
Geral

Ninguém acerta as seis dezenas na Mega-Sena nesse sábado

Prêmio para o próximo concurso será de R$ 53 milhões
Ninguém acerta as seis dezenas na Mega-Sena nesse sábado
Geral

Número de mortes por enchentes no RS aumenta para 176

Corpo não identificado foi encontrado em Venâncio Aires
Número de mortes por enchentes no RS aumenta para 176
Ver mais de Brasil