Imobiliária Coralli
Olimpíada

Onda de 2 m, bússola e uma reação que vale pódio: o "milagre" de Scheidt

12 Ago 2016 - 22h17
“Foi ótima [tarde]. Eu não estava em uma situação muito fácil. Há três dias eu estava em oitavo [no geral] e ter subido dessa forma me deixa bem animado, principalmente pela forma que eu velejei hoje [sexta]. Consegui um milagre”, disse Robert Scheidt, sorridente.

O tamanho do feito se mede pelas condições. Ainda afetada por uma frente fria que marcou os últimos dias, a Baía proporcionou ventos muito inconstantes ao longo das regatas. Em outras classes, a variação foi tão grande que provas foram canceladas. No caso da laser, os velejadores foram obrigados a esperar o início da competição em alto mar enquanto os dirigentes deliberavam sobre o assunto.

Quando a regata começou, Scheidt passou pela primeira boia na 32ª colocação. Como já teve um 23º e um 27º lugares, o brasileiro não tem mais como descartar um resultado ruim. Ficar tão longe do pelotão de frente, àquela altura, significava sair da briga pelo pódio. O veterano, então, apostou em uma leitura alternativa dos ventos, recuperou espaço e fechou na quarta colocação, aproveitando o clima que maltratou os principais rivais.

“Hoje teve muita onda. É uma condição extremamente difícil, tinha dois metros de ondas lá fora, com muita variação de intensidade de vento. Passei a velejar muito na bússola, melhorei e achei um caminho mais curto. É uma recuperação difícil de se fazer”, disse Scheidt.

O aparelho de navegação, comum na vela, torna-se ainda mais essencial em dias como esta sexta. Antes da regata, a comissão de provas entrega as direções das boias por onde cada barco deve passar. Com muitas ondas e pouca visibilidade, a bússola torna-se uma aliada para ler melhor o vento e não depender tanto do contato visual com os objetos.

“Eu precisava de muita concentração para tirar velocidade do barco. Em cima da onda tinha vento, e embaixo da onda não. Estava variando o tempo inteiro”, disse Scheidt.

Agora, o brasileiro está a três pontos do croata Tonci Stipanovic, líder da laser. Neste sábado, a classe faz suas duas últimas regatas regulares para decidir quem avança para a regata das medalhas, na próxima segunda, quando a pontuação dobrada definirá os medalhistas. Dono de dois ouros, duas pratas e um bronze, Scheidt busca seu sexto pódio na última Olimpíada da carreira.

Fonte: UOL.

Matérias Relacionadas

Geral

Evento online mostra que direcionar recursos a projetos sociais locais transforma comunidades

Evento online mostra que direcionar recursos a projetos sociais locais transforma comunidades
Segurança

PRF flagra papagaio silvestre preso em automóvel na BR 101 em Joinville

A ave, da espécie papagaio-verdadeiro, é nativa da fauna brasileira e protegida por lei
PRF flagra papagaio silvestre preso em automóvel na BR 101 em Joinville
Economia

Guedes prevê queda de 4% na economia este ano

Para o ministro, a atividade econômica está em recuperação no país
Guedes prevê queda de 4% na economia este ano
Esportes

Liga Nacional de Futsal: Fase de grupos se afunila

Na última semana, times confirmaram a boa fase, outros tropeçaram, alguns conseguiram se recuperar e há ainda quem, mesmo que a matemática não indique, poderá se classificar.
Liga Nacional de Futsal: Fase de grupos se afunila
Ver mais de Brasil