caragua
caragua mobile
Olimpíada

Onda de 2 m, bússola e uma reação que vale pódio: o "milagre" de Scheidt

12 Ago 2016 - 22h17
“Foi ótima [tarde]. Eu não estava em uma situação muito fácil. Há três dias eu estava em oitavo [no geral] e ter subido dessa forma me deixa bem animado, principalmente pela forma que eu velejei hoje [sexta]. Consegui um milagre”, disse Robert Scheidt, sorridente.

O tamanho do feito se mede pelas condições. Ainda afetada por uma frente fria que marcou os últimos dias, a Baía proporcionou ventos muito inconstantes ao longo das regatas. Em outras classes, a variação foi tão grande que provas foram canceladas. No caso da laser, os velejadores foram obrigados a esperar o início da competição em alto mar enquanto os dirigentes deliberavam sobre o assunto.

Quando a regata começou, Scheidt passou pela primeira boia na 32ª colocação. Como já teve um 23º e um 27º lugares, o brasileiro não tem mais como descartar um resultado ruim. Ficar tão longe do pelotão de frente, àquela altura, significava sair da briga pelo pódio. O veterano, então, apostou em uma leitura alternativa dos ventos, recuperou espaço e fechou na quarta colocação, aproveitando o clima que maltratou os principais rivais.

“Hoje teve muita onda. É uma condição extremamente difícil, tinha dois metros de ondas lá fora, com muita variação de intensidade de vento. Passei a velejar muito na bússola, melhorei e achei um caminho mais curto. É uma recuperação difícil de se fazer”, disse Scheidt.

O aparelho de navegação, comum na vela, torna-se ainda mais essencial em dias como esta sexta. Antes da regata, a comissão de provas entrega as direções das boias por onde cada barco deve passar. Com muitas ondas e pouca visibilidade, a bússola torna-se uma aliada para ler melhor o vento e não depender tanto do contato visual com os objetos.

“Eu precisava de muita concentração para tirar velocidade do barco. Em cima da onda tinha vento, e embaixo da onda não. Estava variando o tempo inteiro”, disse Scheidt.

Agora, o brasileiro está a três pontos do croata Tonci Stipanovic, líder da laser. Neste sábado, a classe faz suas duas últimas regatas regulares para decidir quem avança para a regata das medalhas, na próxima segunda, quando a pontuação dobrada definirá os medalhistas. Dono de dois ouros, duas pratas e um bronze, Scheidt busca seu sexto pódio na última Olimpíada da carreira.

Fonte: UOL.
caragua mobile

Matérias Relacionadas

Economia

Ministério da Agricultura descarta novos casos de doença aviária no RS

Um foco da Doença de Newcastle foi identificado em granja comercial
Ministério da Agricultura descarta novos casos de doença aviária no RS
Esportes

Jogos Olímpicos França 2024: Celebrar o espírito desportivo e a unidade cultural

Quer sejam americanos, africanos, europeus ou asiáticos, os atletas de todas as partes do mundo participam neste evento.
Jogos Olímpicos França 2024: Celebrar o espírito desportivo e a unidade cultural
Economia

Brasil suspende exportações de carne e produtos de aves

Medida preventiva tomada após confirmação de foco de doença no RS
Brasil suspende exportações de carne e produtos de aves
Geral

Uso de cigarros eletrônicos em escolas é tema de reunião promovida pelo MPSC em Joinville

Dados da última Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar revelam que, em 2019, 16,8% dos estudantes no Brasil com idade entre 13 e 17 anos já haviam experimentado o cigarro eletrônico
Uso de cigarros eletrônicos em escolas é tema de reunião promovida pelo MPSC em Joinville
Ver mais de Brasil