Caraguá
Futebol

Milhares de brasileiros se reúnem e homenageiam Chapecoense

08 Dez 2016 - 14h15
No Rio de Janeiro, cerca de mil pessoas se reuniram no Maracanã, onde deram um abraço coletivo no estádio, com todo carinho e dor que os torcedores sentiram na semana passada por uma equipe que realizaria o sonho de disputar sua primeira final continental.

"Já chorei, já sorri. O importante é que eles estão no céu. Deus precisou de uma equipe de campeões e quis a Chapecoense", disse à Agência Efe Luis Piero, torcedor do Botafogo, esteve presente no ato em solidariedade as vítimas do acidente.

 

Vestidos principalmente com o verde característico do clube de Chapecó (SC), os participantes do evento, convocado através das redes sociais, não deixaram de lembrar nem por um instante dos 71 mortos no acidente.

"Vamos, vamos, Chape" era o canto mais repetido pelos presentes, que não deixaram de lembrar dos 19 jogadores da equipe que morreram quando seguiam para Medellín onde disputariam a partida de ida da final da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional-COL.

Deixando de lado as rivalidades por um dia, torcedores dos principais times da cidade deram uma volta ao Maracanã e fizeram um minuto de silêncio antes de darem um abraço simbólico em uma parte do estádio.

"Foi uma tragédia que comoveu todo o mundo, principalmente no Brasil por ser uma equipe daqui. Foi uma tragédia horrível que parecia ser a minha equipe, minha família", disse à Efe Manuela, uma jovem estudante de educação física, torcedora do Vasco da Gama.

Em paralelo ao ato no Maracanã, o estádio Couto Pereira, em Curitiba, onde estava prevista para hoje a realização da segunda partida contra o Atlético Nacional, ficou lotado para homenagear as vítimas do clube catarinense.

No mesmo horário que estava marcado o início do jogo - 21h45, de Brasília -, os torcedores presentes escutaram o apito inicial que marcou o começo simbólico da partida.

A Chapecoense escolheu o Couto Pereira para disputar a decisão por não poder usar a Arena Condá, que não possui a capacidade exigida pela Conmebol para a decisão da Copa Sul-Americana.

Além disso, a Arena Condá também foi palco de mais uma homenagem aos seus "guerreiros", quando as luzes do estádio foram acesas, mas seus torcedores não tiveram acesso ao estádio.

"Se trata de uma homenagem silenciosa, iniciativa do clube para eternizar essa que seria a partida mais importante da história da 'Chape'", afirmou o clube em comunicado divulgado em seu site.

Por outro lado, o Atlético Nacional foi homenageado pela artista Katielly Lanzini, quem colocou ao lado da escultura da mascote da Chapecoense, o "Índio Guerreiro", localizada nos arredores da Arena Condá, um tigre de dentes de sabre, símbolo da equipe colombiana. EFE

Matérias Relacionadas

Política

[Vídeo] Renan Calheiros e Jorginho Mello batem boca e trocam xingamentos na CPI

Senadores discutiram após relator da CPI afirmar que população tem a percepção de que governo Bolsonaro é corrupto
[Vídeo] Renan Calheiros e Jorginho Mello batem boca e trocam xingamentos na CPI
Economia

WEG inaugura quinta fábrica de transformadores na América do Norte

Localizada na cidade de Washington a nova fábrica recebeu investimentos de 17 milhões de dólares e será dedicada à produção de transformadores de potência até 10 MV
WEG inaugura quinta fábrica de transformadores na América do Norte
Política

Senado aprova PEC da reforma eleitoral

Texto segue para promulgação
Senado aprova PEC da reforma eleitoral
Saúde

Anvisa recomenda quarentena ao presidente e comitiva brasileira

Ministro Queiroga testou positivo para covid-19 em viagem a Nova York
Ver mais de Brasil