GNet
Olimpíada

Favoritos, Isaquias e Erlon dominam série e vão direto à final na canoagem

19 Ago 2016 - 15h20
Na Rio-2016, Isaquias já amealhou pódios no C1-1000m (prata) e no C1-200m (bronze). As duas conquistas anteriores já o inseriram em um grupo seleto: na história, apenas cinco brasileiros obtiveram duas láureas em uma mesma edição olímpica. Os outros foram os atiradores Afrânio da Costa e Guilherme Paraense (Antuérpia-1920) e os nadadores Gustavo Borges (Atlanta-1996) e Cesar Cielo (Pequim-2008).

A chance de Isaquias se colocar à frente desse pelotão acontece justamente numa prova em que o brasileiro desponta como favorito. Ele e Erlon são os atuais campeões mundiais da C2-1000m – venceram em Milão, em 2015, quando tinham remado juntos pouquíssimas vezes.

“Eu já fiz meu trabalho, já ganhei duas medalhas e quero fazer meu amigo Erlon entrar na história também”, disse Isaquias na última quinta-feira (18), depois do bronze no C1-200. Antes da Rio-2016, o Brasil jamais havia frequentado o pódio olímpico na canoagem velocidade. O primeiro veio com a prata do canoísta no C1 - 1000 m na terça-feira.

Os dois canoístas são oriundos da Bahia, mas de municípios diferentes – Isaquias é de Ubaitaba, cidade cujo nome significa “cidade das canoas” em tupi-guarani, e Erlon nasceu em Ubatã (“canoa forte” no mesmo idioma). Desde 2013, quando a CBCA (Confederação Brasileira de Canoagem) contratou o técnico espanhol Jesús Morlán, ambos dividem com o restante da equipe nacional de velocidade uma casa em Lagoa Santa (MG). Treinam em regime de oito semanas ininterruptas para cada sete dias de descanso.

A origem baiana e a casa que compartilham em Lagoa Santa são apenas duas das coincidências entre Isaquias e Erlon. Os dois também foram descobertos em projetos sociais e precisaram conciliar o esporte com outros empregos no início de suas trajetórias nas canoas, mesmo depois de terem registrado resultados relevantes – Isaquias, por exemplo, carregava compras na feira quando já era campeão sul-americano da modalidade.

As semelhanças entre os dois, contudo, não permeiam a personalidade. Isaquias é expansivo, falastrão e apaixonado por festas. Gosta de arrocha, estilo musical popular em Ubaitaba, e mantém vida social agitada quando está longe do esporte. Erlon, por outro lado, é tímido, distribui poucas palavras e gosta de uma rotina caseira.

Nesta sexta-feira, a diferença de personalidade entre os dois não importou. Isaquias e Erlon estavam na primeira bateria eliminatória e venceram com 3min33s269. Por terem ficado com a primeira posição da série, avançaram diretamente à decisão da prova.

O tempo dos brasileiros ainda foi o melhor na soma das duas baterias. Eles foram seguidos pelo conjunto da Alemanha (3min33s482) e de Cuba (3min34s939). A decisão da prova será realizada no próximo sábado (20), no estádio da Lagoa Rodrigo de Freitas.

“O treinador deixou claro que precisávamos correr, fazer uma ótima prova e não avaliar. Precisávamos da sensação de competição. Tentamos fazer uma prova limpa, mas pegamos muito vento e ondas que atrapalharam a remada. Mesmo assim, conseguimos chegar na frente. Talvez não com um tempo tão bom, mas o vento atrapalhou. Sabemos que podemos correr muito mais do que isso”, disse Isaquias nesta sexta-feira.

Mais brasileiros na Lagoa

Na bateria de abertura do Caiaque K1-200 m, Édson Isaias da Silva completou a prova com o sétimo melhor tempo da bateria (35s665) e não avançou para as semifinais. Ele terminou no 20º lugar geral.

Já a equipe brasileira do K4 1000 m, composta por Roberto Maelher, Vagner Souta, Celso Oliveira e Gilvan Ribeiro, chegou em sexto lugar na eliminatória e se classificou às semifinais. Na fase, o quarteto terminou em sexto novamente e disputará a final B no sábado.
GNet

Matérias Relacionadas

Economia

SC demanda R$ 18,5 bilhões até 2025 para obras de infraestrutura de transportes

O presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar, disse que Santa Catarina precisa de um planejamento integrado e sistêmico da macrologística para o curto, médio e longo prazos
SC demanda R$ 18,5 bilhões até 2025 para obras de infraestrutura de transportes
Economia

Multinacional catarinense, Bold encerra 2021 com abertura de novas filiais

Como resultado de ações estratégicas, a empresa registra um crescimento próximo aos 40%, em 2021
Multinacional catarinense, Bold encerra 2021 com abertura de novas filiais
Política

Barroso pede manifestação do governo sobre passaporte da vacina

Ação quer tornar obrigatória adoção de recomendações da Anvisa
Barroso pede manifestação do governo sobre passaporte da vacina
Economia

Após fala de Bolsonaro, Petrobras afirma que não há decisão sobre ajustes nos preços de combustíveis

Petrobras publicou uma nota nesta segunda-feira (6)
Após fala de Bolsonaro, Petrobras afirma que não há decisão sobre ajustes nos preços de combustíveis
Ver mais de Brasil