Petrobrás

Ex-diretores da Petrobras pedem desbloqueio de bens ao Supremo

12 Jul 2016 - 11h19
Os ex-diretores da Petrobras Almir Barbassa e Guilherme Estrella recorreram ontem (11) ao Supremo Tribunal Federal (STF) para derrubar decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) que determinou o bloqueio dos bens de ambos. Devido ao período do recesso de julho na Corte, os pedidos são avaliados pelo presidente do tribunal, Ricardo Lewandowski.

Em 2014, o TCU aprovou relatório que investiga irregularidades na compra da Refinaria de Pasadena, no Texas (Estados Unidos), pela Petrobras, e determinou que ex-diretores da estatal devolvessem US$ 580,4 milhões. Entre esses diretores estão Barbassa e Estrela, então diretores financeiro e de Exploração, respectivamente. Na decisão, o tribunal determinou a indisponibilidade de bens dos acusados para garantir ressarcimento ao erário.

Na petição, Barbassa informa que está aposentado e pede liberação do saldo do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para pagar a dívida de seu apartamento, estimada em R$ 794 mil, e a liberação de suas economias depositadas no Banco do Brasil. No caso de Estrella, os advogados pediram a anulação da decisão do TCU ou a liberação de R$ 6 mil mensais “para honrar seus compromissos” e manter o sustento da família.

Em 2006, a Petrobras comprou 50% da Refinaria de Pasadena, por US$ 360 milhões. Por causa das cláusulas do contrato, a estatal foi obrigada a comprar toda a unidade, o que resultou em um gasto total de US$ 1,18 bilhão. Na época, a compra foi aprovada por unanimidade pelo Conselho de Administração da Petrobras.

 

 

Fonte: Agência Brasil

Matérias Relacionadas

Economia

Reforma da Previdência é promulgada pelo Congresso

Economia

Bolsonaro assina medida provisória que extingue o Dpvat

Geral

Grupo Malwee é reconhecido como uma das empresas mais sustentáveis do Brasil

O Grupo Malwee, uma das maiores empresas de moda do país, foi reconhecido pela segunda vez, como uma das empresas mais sustentáveis do Brasil pelo Guia Exame de Sustentabilidade 2019.
Grupo Malwee é reconhecido como uma das empresas mais sustentáveis do Brasil
Educação

MEC levará internet a 24,5 mil escolas públicas

De acordo com a pasta, isso significa que 56% das escolas públicas passarão a estar conectadas no país. A medida deverá beneficiar 11,6 milhões de estudantes
MEC levará internet a 24,5 mil escolas públicas
Ver mais de Brasil