Senado

Dilma vai faltar a leitura de defesa e não vai poder ser alvo de perguntas

06 Jul 2016 - 10h58
O advogado José Eduardo Cardozo vai fazer nesta quarta-feira (6) a leitura da defesa de Dilma Rousseff, que decidiu não comparecer à Comissão do impeachment. Cardozo concluiu que é melhor a presidenta afastada comparecer na próxima fase do processo.

 

Depois que o advogado de defesa ler o documento com os argumentos de Dilma Rousseff contra a acusação, os senadores não poderão fazer perguntas por Dilma não estar presente.

 

Nessa terça-feira, a Comissão discutiu a perícia do Senado e também as conclusões dos assistentes técnicos da acusação e defesa sobre o laudo pericial.

 

Além dos três técnicos do Senado que escreveram o laudo, falou na Comissão a assistente pericial da acusação, a especialista em finanças públicas Selene Peres Nunes, que concordou com o laudo do Senado que considerou as chamadas pedaladas fiscais como operação de crédito.

 

O assistente pericial da defesa, o advogado Ricardo Lodi Ribeiro, sustentou que a perícia inocenta a presidenta afastada ao afirmar que não houve participação direta dela nas chamadas pedaladas fiscais.

 

Depois que o advogado de Dilma ler a declaração dela contra as denúncias nesta quarta-feira, a comissão dará os prazos para as alegações finais da defesa e acusação. A próxima reunião deve ocorrer somente no dia 2 de agosto, quando o relator, senador Antônio Anastasia, do PSDB, vai apresentar o parecer aceitando ou não a denúncia contra Dilma Rousseff.

 

 

Agência Brasil

Matérias Relacionadas

Esportes

Chapecoense é condenada a pagar pensão até 2049 para família de chefe de segurança morto em acidente

Tribunal Superior do Trabalho determinou ainda que mulher e filhos sejam indenizados em R$ 600 mil. Ex-funcionário estava no voo da delegação do clube que matou 71 pessoas.
Chapecoense é condenada a pagar pensão até 2049 para família de chefe de segurança morto em acidente
Segurança

Lula sanciona, com veto, projeto que proíbe saidinha de presos

Lula acatou uma recomendação do ministro da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Lewandowski, para manter o direito à saída temporária dos presos do semiaberto para visita a familiares
Lula sanciona, com veto, projeto que proíbe saidinha de presos
Economia

Varejo cresce 1% em fevereiro e atinge patamar recorde, diz IBGE

Em janeiro foi registrado crescimento de 2,8%
Varejo cresce 1% em fevereiro e atinge patamar recorde, diz IBGE
Saúde

Brasil já tem mais de 3 milhões de casos de dengue em 2024

Desde o início do ano, foram registradas 1.256 mortes pela doença
Brasil já tem mais de 3 milhões de casos de dengue em 2024
Ver mais de Brasil