GNet
Futebol

Demitido, Bento seguirá na folha salarial do Cruzeiro até o fim de 2017

26 Jul 2016 - 15h13
A demissão do técnico, confirmada nessa segunda-feira (25) pela assessoria de imprensa, encerra uma passagem de 75 dias pela Toca da Raposa II. O português, no entanto, receberá cerca de R$ 7 milhões do clube.

Conforme o antigo vínculo, o lusitano tem direito a embolsar R$ 400 mil mensais enquanto permanecer desempregado. A validade do acordo é até dezembro de 2017, quando se encerraria o compromisso. O gringo, portanto, permanece na folha de pagamento dos mineiros se não encontrar um novo time para dirigir neste período.

Como restam 17 meses para o término do acordo, Paulo Bento tem direito a receber R$ 6,8 milhões do Cruzeiro. O montante não inclui os demais membros da comissão técnica do português.

Os salários dos auxiliares Ricardo Peres e Sérgio Costa, do observador Vitor Silvestre e do preparador físico Pedro Pereira não entram na conta. O quarteto recebia R$ 130 mil por mês em Belo Horizonte.

A chegada de outro comandante – Mano Menezes – faz com que o clube tenha que pagar vencimentos de dois técnicos nos próximos meses. O gaúcho receberá cerca de R$ 500 mil por mês no retorno à Toca da Raposa II. O salário será semelhante ao de sua primeira passagem pelo clube, entre setembro e dezembro de 2015. A soma dos valores será de aproximadamente R$ 900 mil.

 
GNet

Matérias Relacionadas

Política

STF valida decisão que suspende despejos até março de 2022

Objetivo é proteger saúde de populações vulneráveis durante pandemia
STF valida decisão que suspende despejos até março de 2022
Saúde

Pfizer diz que proteção contra Ômicron necessita de três doses

Anúncio foi feito pelas farmacêuticas responsáveis pelo imunizante
Pfizer diz que proteção contra Ômicron necessita de três doses
Saúde

Ômicron chega a 57 países e hospitalizações devem subir

Alerta é da Organização Mundial da Saúde
Ômicron chega a 57 países e hospitalizações devem subir
Economia

Copom aumenta taxa básica de juros para 9,25% ao ano

Esta é a sétima alta consecutiva
Copom aumenta taxa básica de juros para 9,25% ao ano
Ver mais de Brasil