GNet
Economia

Congresso deve receber proposta de reforma trabalhista até fim do ano

21 Jul 2016 - 13h14
O governo do presidente interino Michel Temer deve encaminhar ao Congresso Nacional uma proposta de reforma trabalhista e outra para regulamentar a terceirização. De acordo com o ministro do Trabalho e Previdência Social, Ronaldo Nogueira, as mudanças serão enviadas até o final do ano.

De acordo com o ministro, a proposta de reforma que será enviada ao Congresso vai valorizar a negociação coletiva e definirá questões relacionadas a salário e jornada de trabalho, mas não vai permitir o parcelamento de férias ou 13º salário, por exemplo. "A CLT será atualizada com o objetivo de simplificar, para que a interpretação seja a mesma para o trabalhador, o empregador e o juiz", disse. "Direitos não serão revogados", completou.

Nogueira também lembrou que a legislação trabalhista brasileira foi criada na década de 40 e que, com o passar dos anos, novas atividades econômicas foram incorporadas à Consolidação das Leis de Trabalho (CLT).

Nogueira também lembrou que a legislação trabalhista brasileira foi criada na década de 40 e que, com o passar dos anos, novas atividades econômicas foram incorporadas à Consolidação das Leis de Trabalho (CLT). "Ela virou uma colcha de retalhos que permite interpretações subjetivas", disse.

Terceirização


Sem entrar em detalhes, Nogueira adiantou que certos pontos da proposta aprovada na Câmara dos Deputados poderão ser aproveitados. De acordo com o ministro, um grupo de trabalho será criado para definir o que são e quais serviços especializados poderão ser terceirizados.

“Vamos trazer o trabalhador, o empregador e especialistas da área para aprimorar as propostas da terceirização em busca de um consenso”, destacou. “Essa discussão de atividade-fim e atividade-meio é irrelevante neste momento”.

Proteção ao emprego


O governo também tem planos para tornar permanente o Programa de Proteção ao Emprego (PPE). Inicialmente, a medida foi criada para proteger empregos em momentos de redução da atividade econômica. O programa prevê, por exemplo, a redução de até 30% na jornada de trabalho e no salário por meio de acordo coletivo e tem prazo estabelecido para o fim de 2017.

Para aprovar mudanças no PPE, o governo deverá encaminhar um projeto de lei ao Congresso. "É uma política de socorro para garantir emprego", disse o ministro. "O Brasil está retomando a empregabilidade e a confiança no mercado. As empresas não vão precisar do PPE, mas será um programa que estará à disposição para todos os setores que estiverem em crise", afirmou o ministro.

 

 

IG

 
GNet

Matérias Relacionadas

Saúde

STF suspende julgamento que proíbe demissão de não vacinados

A análise da portaria foi iniciada ontem em plenário virtual
STF suspende julgamento que proíbe demissão de não vacinados
Saúde

Rio Grande do Sul confirma caso de infecção pela variante Ômicron

Mulher voltou de viagem à África do Sul na semana passada
Rio Grande do Sul confirma caso de infecção pela variante Ômicron
Geral

WEG fornece Powertrain para ônibus elétrico da Marcopolo

Fabricação do ônibus Attivi reforça a capacidade da indústria nacional em transformar o Brasil em um player global de veículos de transporte urbano elétricos
WEG fornece Powertrain para ônibus elétrico da Marcopolo
Segurança

Criança pede socorro em prova: 'meu pai bate na minha mãe'

Menina de 13 anos que escreveu o pedido de ajuda está em um abrigo sob responsabilidade do Conselho Tutelar, junto com os três irmãos.
Criança pede socorro em prova: 'meu pai bate na minha mãe'
Ver mais de Brasil