Produção

Brasil terá maior alta de produção fora da Opep em 2017

12 Jul 2016 - 13h48
O Brasil deve ser o país com maior aumento da produção de petróleofora da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) em 2017. A projeção consta do relatório mensal divulgado na manhã desta terça-feira, 12.

A entidade prevê que sete novas plataformas da Petrobras aumentarão a produção diária brasileira em 260 mil barris de petróleo diários (BPD). Assim, o Brasil terminará 2017 com produção média de 3,37 milhões de BPD.
Segundo a Opep, a produção da commodity fora da Opep deve cair 110 mil barris diários no próximo ano, para média de 55,92 milhões de BPD. Mas o Brasil deve ir na contramão.

"Brasil, Canadá, pequenos produtores africanos, Congo e Malásia estão entre os maiores motores de crescimento, enquanto México, Estados Unidos, Noruega, Colômbia, China, Cazaquistão e Rússia são as principais razões para a queda", cita o documento da Opep.

O detalhamento por país mostra que a Opep espera 260 mil novos barris diários no Brasil, ritmo quase duas vezes maior que o aumento da produção do Canadá, que deve aumentar 150 mil BPD no próximo ano.

O grupo dos países que devem aumentar os volumes ainda conta com pequenos produtores africanos (aumento de 60 mil barris diários), Congo (50 mil BPD) e Malásia (30 mil barris).

A Opep explica que a capacidade de produção do Brasil vai aumentar em 2017 porque há expectativa de que sete novas plataformas da Petrobras começarão a operar.

"Incluindo três no campo de Lula, duas no campo de Búzios, uma no campo de Lapa e uma na gigantesca área de Libra", cita o documento.

2016

Para este ano, a Opep manteve a previsão de que a produção média do Brasil ficará em 3,10 milhões de barris diários. O volume representa aumento de 40 mil BPD na comparação com 2015 e não foi alterada na comparação com o documento de junho.

A entidade nota que a Petrobras retomou em maio o funcionamento de duas plataformas paradas para manutenção, o que aumentou a produção do Brasil em 20 mil barris diários que alcançou 3,12 milhões de barris em maio, sendo que o pré-sal passou a marca de 1 milhão de barris diários.

"A Petrobras optou por concentrar muito da sua manutenção no início de 2016 após a queda do preço do barril para abaixo de US$ 30 em janeiro", cita o documento, que menciona que essas manutenções reduziram a produção em cerca de 5% no período mencionado.

Na América Latina, a Opep prevê que a produção regional cairá 70 mil barris diários em 2016, para 5,12 milhões de BPD. A queda esperada agora é maior que a retração de 30 mil barris prevista em junho.

A contração, explica a entidade, é gerada pelo baixo preço do petróleo, o que tem reduzido a velocidade de produção na região, especialmente na Colômbia.

"O Brasil é o único país da região que crescerá este ano. Por outro lado, a produção da Colômbia cairá 70 mil barris diários, para 960 mil BPD. Igualmente também há previsão de queda na Argentina, Trinidad e Tobago e outros latino-americanos", cita o documento.

 

 

Fonte: Revista Exame

Matérias Relacionadas

Política

Bolsonaro anuncia saída do PSL e criação da Aliança pelo Brasil

Bolsonaro anuncia saída do PSL e criação da Aliança pelo Brasil
Economia

Reforma da Previdência é promulgada pelo Congresso

Economia

Bolsonaro assina medida provisória que extingue o Dpvat

Geral

Grupo Malwee é reconhecido como uma das empresas mais sustentáveis do Brasil

O Grupo Malwee, uma das maiores empresas de moda do país, foi reconhecido pela segunda vez, como uma das empresas mais sustentáveis do Brasil pelo Guia Exame de Sustentabilidade 2019.
Grupo Malwee é reconhecido como uma das empresas mais sustentáveis do Brasil
Ver mais de Brasil