Imobiliária Coralli
Olimpíada

Brasil perde para a França e é eliminado na 1ª fase do basquete feminino

11 Ago 2016 - 22h45
Na tarde desta quinta-feira (11), o time comandado por Antônio Carlos Barbosa perdeu por 74 a 64 para a França, atual vice-campeã olímpica e duas vezes vice do Europeu.

É a terceira Olimpíada seguida que o Brasil fracassa em passar às quartas de final no torneio feminino. Em Pequim-2008 e Londres-2012, o time também naufragou na fase de classificação, com a diferença de ter sido eliminada com pelo menos uma vitória. Desta vez, em casa, diante de seus torcedores, essa possibilidade é remota.

A equipe nacional faz um jogo de despedida, no sábado (13), contra a Turquia, que está classificada para as quartas e passou com facilidade pelas seleções para as quais o Brasil já caiu no Rio-2016. Já as francesas tentam avançar às quartas de final como segundas colocadas no grupo A, contra o Japão.

Damiris foi a cestinha com 21 pontos. Mas a França terminou os 40 minutos com quatro atletas com pontuação igual ou superior a 10 pontos, numa prova de que jogou muito mais como um time do que a seleção comandada por Barbosa

 

Time base mantido


Como aconteceu nas partidas anteriores, o Brasil de Barbosa começou eletrizante, empurrado pela torcida, abriu 17 a 10 nos sete primeiros minutos. O técnico não mudou o time base, que jogou a primeira etapa com Adrianinha, Iziane, Clarrisa, Damiris e Érika. Mas a equipe descuidou-se na marcação da ala-pivô Endy Myem, que anotou oito pontos nos 10 minutos iniciais. As duas equipes partiram para a segunda etapa empatadas em 20 a 20.

Com apenas duas jogadoras com 30 anos ou menos, a França mostrou sua superioridade física da França já no segundo período. A técnica Valerie Garnier lançou à quadra as jogadoras reservas e elas impulsionaram o time visitante a virar o placar e entrar na segunda metade do duelo vencendo por 35 a 29.

Dupla francesa detona


A defesa brasileira foi incapaz de parar as jogadas entre a armadora Gaelle Skrela, e a pivô Sandrine Gruda. Juntas, elas marcaram 35 pontos. Isso é mais da metade do que a seleção de Barbosa anotou no jogo inteiro.


A pivô Isabelle Yacoubou, nascida no Benin, mas naturalizada francesa, anotou outros 10 pontos, assim como a ala Myem. A soma da pontuação alcançada pelas cestinhas francesas quase chega ao total anotado pelas brasileiras nos 40 minutos de jogo: 55 para as europeias contra 64 das anfitriãs.


Falta de banco


O Brasil, por sua vez, voltou a perder bolas fáceis. Cometeu 17 turnovers (perda da posse de bola). Só a ala Clarissa foi responsável por seis desses erros. O time voltou a insistir nos arremessos de longa distância sem sucesso. Das 10 tentativas, apenas três foram concluídas com èxito.


Duas jogadoras atuaram durante todo o tempo regulamentar: Damiris e Clarissa. São duas jovens, de 23 e 28 anos respectivamente, mas elas não foram substituídas nenhum momento sequer por Barbosa. Mais uma prova de que faltam peças de reposição no basquete feminino nacional.

 



 

Matérias Relacionadas

Economia

Pix poderá ser usado para recolhimento do FGTS

A nova possibilidade poderá ser usada em 2021
Pix poderá ser usado para recolhimento do FGTS
Economia

Confiança do Consumidor tem primeira queda desde maio

Pesquisa foi feita pela Fundação Getulio Vargas
Confiança do Consumidor tem primeira queda desde maio
Educação

Censo mostra que ensino a distância ganha espaço no ensino superior

Em 2018, as matrículas dos calouros representavam 39,8% do total
Censo mostra que ensino a distância ganha espaço no ensino superior
Esportes

Jaraguá e Tubarão empatam no clássico catarinense

Empate mantém a equipe do Tubarão na liderança do Grupo C, enquanto o Jaraguá sobe para o quinto lugar.
Jaraguá e Tubarão empatam no clássico catarinense
Ver mais de Brasil