rio-2016

Brasil leva ouro e prata, mas vive dia de pesadelos nos esportes coletivos

17 Ago 2016 - 13h08
O 11º dia da Rio-2016 ficou marcado por dois grandes pódios em esportes individuais para o Brasil, com os baianos Isaquias Queiroz, prata na canoagem, e Robson Conceição, ouro inédito no boxe. Mas terminou de maneira trágica para os esportes coletivos. Ironicamente, são nas modalidades por equipes onde o país costuma ter uma espécie de "porto seguro" para alcançar medalhas nos Jogos Olímpicos.

Nesta terça-feira (16), o Brasil sofreu quatro derrotas em mata-matas, sendo duas delas em apostas fortes do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) – handebol feminino e vôlei feminino. As duas equipes já deram adeus à competição. O Brasil ainda foi eliminado no polo aquático masculino e perdeu a chance do ouro com as mulheres do futebol, que disputarão o terceiro lugar com a seleção do Canadá.

Curiosamente, dois times que tiveram primeiras fases complicadas são as principais esperanças que restam de conquista de medalhas para o esporte coletivo. O futebol masculino, muito criticado pelos empates contra África do Sul e Iraque, tenta uma vaga na decisão, nesta quarta-feira, contra Honduras. Já o vôlei masculino, que passou no sufoco na etapa inicial da competição, busca um lugar na semifinal, também nesta quarta-feira contra a Argentina.

A seleção masculina de handebol é outra que segue viva nos Jogos. A equipe joga também nesta quarta e terá vida mais dura que os colegas do futebol e vôlei, encarando a favorita França nas quartas de final.

Campeã mundial de 2013, a seleção feminina de handebol era umas das esperanças de medalha para o Brasil. A seleção brasileira só perdeu uma partida na primeira fase e terminou em primeiro lugar do grupo A; por isso, enfrentou nas quartas de final a Holanda, quarta colocada no grupo B, adversário que poderia ser apontado como mais fraco na teoria, mas na prática era um duelo contra as vice-campeãs mundiais. As meninas brasileiras acabaram derrotadas por 32 a 23. Um banho de água fria não só pela desclassificação, como pelo placar que não traduziu o que as equipes tinham feito até então.

A seleção feminina de vôlei não havia perdido sequer um set e buscava o tricampeonato olímpico – algo que só Cuba conseguiu -- na Rio-2016. Mas tudo veio por água abaixo numa noite para se esquecer no Maracanãzinho. As comandadas de José Roberto Guimarães começaram a partida de forma arrasadora, mas sofreram com as falhas no passe e cederam a virada nas quartas de final contra a China (15/25, 25/23, 25/22, 23/25 e 15/13). A eliminação ganhou ainda contorno dramáticos: choro generalizado das atletas, do vitorioso treinador e até de seu neto, que entrou na quadra e foi às lagrimas no ombro no avô. No final do jogo, Sheilla anunciou que se despediu da seleção com a derrota.

Marta e companhia não resistiram às suecas, que já haviam deixado pelo caminho as favoritas norte-americanas. Em jogo no Maracanã, elas foram desclassificadas nos pênaltis, após 0 a 0 no tempo normal. Cristiane, de volta após lesão, e Andressinha desperdiçaram suas cobranças. A goleira Bárbara pegou um pênalti, mas não foi suficiente. Assim como no vôlei feminino, a frustração e o choro tomaram conta das atletas brasileiras após a eliminação. Mas elas ainda têm a chance de sair dos Jogos Olímpicos com a medalha de bronze, que será disputada na próxima sexta (19), na Arena Corinthians, em São Paulo, contra o Canadá.

Outro esporte coletivo que caiu no mata-mata nesta terça foi o polo aquático masculino do Brasil, que encarou um desafio grande nas quartas de final da Rio-2016. Os brasileiros enfrentaram os atuais campeões olímpicos da Croácia e lutaram até o final, mas não conseguiram a vitória e acabaram eliminados ao perder por 10 a 6.

 

 

Fonte - Uol Noticias

Matérias Relacionadas

Segurança

Dois celulares são roubados ou furtados por minuto no Brasil

Aparelhos são porta de entrada para outros crimes como golpes virtuais
Dois celulares são roubados ou furtados por minuto no Brasil
Saúde

Governo Sanciona Lei que Incentiva Diagnóstico Tardio do Autista em Adultos e Idosos em SC

Projeto de Lei é de autoria do deputado estadual Vicente Caropreso
Governo Sanciona Lei que Incentiva Diagnóstico Tardio do Autista em Adultos e Idosos em SC
Segurança

Brasil registrou um estupro a cada seis minutos em 2023

76% dos casos correspondem ao crime de estupro de vulnerável, com vítimas menores de 14 anos
Brasil registrou um estupro a cada seis minutos em 2023
Esportes

No Rio Grande do Sul, Jaraguá Futsal encara o Atlântico pela Liga Nacional

As duas equipes vivem grande momento e fazem um confronto direto pelas primeiras posições
No Rio Grande do Sul, Jaraguá Futsal encara o Atlântico pela Liga Nacional
Ver mais de Brasil