Empregos

Brasil é último em ranking de criação de emprego da OCDE

07 Jul 2016 - 12h36
Em razão da crise econômica, o Brasil deve ter, em 2016, o pior desempenho na criação de empregos na comparação com outros 43 países, de acordo com um estudo da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), publicado nesta quinta-feira (7).

Segundo o relatório, o Brasil deve registrar um saldo negativo de empregos (quando as demissões superam as contratações) de 1,6% neste ano, enquanto nos países da OCDE a previsão é de crescimento de 1,5% dos postos de trabalho em 2016.

Nas projeções da OCDE, apenas quatro outros países, além do Brasil, terão saldo negativo de empregos neste ano, com quedas bem menores, que vão de apenas -0,1%, como a Finlândia, a -0,9%, no caso da Costa Rica.
Em 2017, afirma o estudo, a situação no Brasil deve melhorar, com previsão de crescimento de 0,7% do emprego.

O estudo, intitulado "Perspectivas do Emprego 2016", leva em conta os dados dos 35 países membros da organização (a Letônia aderiu ao grupo em junho) e de nove outras economias, como Brasil e China.

Em junho, a OCDE já havia estimado, em outro estudo, que o Brasil deverá sofrer em 2016 a maior queda do PIB entre as 44 economias analisadas, com recuo de 4,3%, e atribuiu a "recessão profunda", que deve durar no país até 2017, ao "contexto de grande incerteza política" e também aos casos de corrupção que abalam a confiança de consumidores e investidores.

A OCDE prevê que a taxa de desemprego no Brasil deverá atingir 11,3% neste ano contra 8,5% em 2015, segundo o estudo divulgado nesta quinta.

Apesar da crise, as taxas de desemprego no Brasil permanecem bem mais baixas do que as previstas neste ano para países como a Grécia (23,9%), Espanha (19,3%) ou a África do Sul, onde o índice estimado é de 26,5%.

 

 

 

BBC Brasil

Matérias Relacionadas

Economia

Reforma da Previdência é promulgada pelo Congresso

Economia

Bolsonaro assina medida provisória que extingue o Dpvat

Geral

Grupo Malwee é reconhecido como uma das empresas mais sustentáveis do Brasil

O Grupo Malwee, uma das maiores empresas de moda do país, foi reconhecido pela segunda vez, como uma das empresas mais sustentáveis do Brasil pelo Guia Exame de Sustentabilidade 2019.
Grupo Malwee é reconhecido como uma das empresas mais sustentáveis do Brasil
Educação

MEC levará internet a 24,5 mil escolas públicas

De acordo com a pasta, isso significa que 56% das escolas públicas passarão a estar conectadas no país. A medida deverá beneficiar 11,6 milhões de estudantes
MEC levará internet a 24,5 mil escolas públicas
Ver mais de Brasil