Séculus
rio-2016

Brasil busca "medalhas que valem duas" para ser top 10 das Olimpíadas

02 Mar 2016 - 15h23
Na realidade dos Jogos Olímpicos, o foco do Brasil para os próximos seis meses é buscar "medalhas que valem duas". A meta do país é figurar entre os dez primeiros da Rio-2016 em número de pódios, e o caminho para isso passará necessariamente por obter vitórias em competições que seriam favoráveis a rivais diretos.

"Para a gente, o importante é a ganhar medalha que vale duas: vencer contra os países que estão brigando pela nona ou pela décima colocação, como Ucrânia, Itália, Coreia [do Sul], Holanda, Canadá e Cuba. Vencer medalhas contra eles vale por duas porque existe uma troca", explicou Marcus Vinicius Freire, superintendente-executivo de esportes do COB (Comitê Olímpico do Brasil), nesta terça-feira (01).

A tese de Freire é que os últimos anos têm apresentado uma tendência diferente do quadro de medalhas dos últimos Jogos Olímpicos. Segundo ele, é provável que a Rio-2016 tenha um número maior de láureas divididas entre os países mais bem colocados e uma disputa mais acirrada no pelotão intermediário.

Por causa disso, o Brasil admite até rever a meta de medalhas para a Rio-2016. O COB vinha falando em 27 ou 28 pódios, com base nas edições passadas dos Jogos Olímpicos, mas já admite atingir o top 10 com um volume menor em 2016.

"Existe uma tendência de maior distribuição de medalhas, com os oito primeiros ganhando um pouco mais e tirando dessa turma de baixo", explicou Freire. "Acho que é um número que mostra o que aconteceu nos últimos três anos", completou.

Além das "medalhas que valem duas", uma aposta do COB para atingir o top 10 em 2016 é a ascensão dos atletas locais. O comitê tem trabalhado com uma meta de eficiência (esportistas que atinjam nos Jogos um desempenho igual ou superior ao melhor de suas carreiras), e a temporada 2015 teve números alarmantes: foram 19 pódios em competições mundiais de modalidades olímpicas, pior rendimento do Brasil em três anos (apenas duas medalhas a mais do que o país havia conquistado um ano antes de Londres-2012).

"Eu diria que o final de 2015 já foi mais promissor. No primeiro semestre a gente teve uma série de contusões de várias modalidades. Isso prejudicou os resultados – não foi só isso, mas também isso. O 2016 mostrou um laranja virando amarelo para seguir com verde. Eu prefiro tomar um susto antes. O Bernardinho não ser pódio um ano antes em casa é um negócio absurdo, mas ainda bem que foi em 2015. Aí teve alerta para todo mundo", concluiu o dirigente.
GNet

Matérias Relacionadas

Segurança

Zé Trovão se apresenta à Polícia Federal em Joinville

Caminhoneiro estava foragido desde agosto
Zé Trovão se apresenta à Polícia Federal em Joinville
Economia

Lunelli alcança marca histórica de R$ 1 bilhão de faturamento

Com 4,6 mil colaboradores, a Lunelli possui unidades em Santa Catarina, São Paulo, Ceará e também no Paraguai
Lunelli alcança marca histórica de R$ 1 bilhão de faturamento
Economia

Ministro diz que privatização da Petrobras ampliaria investimentos

Paulo Guedes fez declaração em evento com presidente Bolsonaro
Ministro diz que privatização da Petrobras ampliaria investimentos
Economia

Falta de material e custos impactam a indústria da construção

Situação persiste pelo quinto trimestre seguido
Falta de material e custos impactam a indústria da construção
Ver mais de Brasil