Imobiliária Coralli
Inflação

BC prevê queda de 3,3% no PIB e inflação de 7,3% em 2016, acima da meta

27 Set 2016 - 12h34
O Banco Central calcula que a economia brasileira irá encolher 3,3% e a inflação chegará a 7,3% neste ano, de acordo com o relatório trimestral de inflação, divulgado nesta terça-feira (27).

A projeção anterior, divulgada no relatório de junho, trazia a mesma estimativa para o PIB (Produto Interno Bruto), mas previa inflação menor, de 6,9%.

O banco diz que a inflação deve continuar caindo, mas numa "velocidade incerta".

Se a previsão se confirmar, a alta dos preços em 2016 vai estourar o teto da meta, pelo segundo ano seguido. O objetivo do governo é manter a inflação em 4,5% ao ano, mas com tolerância de dois pontos percentuais para cima ou para baixo (na prática, variando entre 2,5% e 6,5%). Em 2015, a inflação foi de 10,67%.

Quando a alta de preços supera o limite máximo, o presidente do Banco Central precisa escrever uma carta aberta ao ministro da Fazenda explicando os motivos.

Para o ano que vem, a projeção do BC é de que a inflação chegue a 4,4%. A expectativa anterior era de 4,7%. Para 2017, a tolerância é de 1,5 ponto, com o teto da meta a 6%. O BC mostrou ainda que vê a inflação a 3,8% em 2018.

Ainda segundo estimativa do BC, o dólar deve fechar este ano em R$ 3,30 projeção menor que a de junho, de R$ 3,45. A previsão para a taxa básica de juros, a Selic, foi mantida em 14,25%.

 

As informações são da

Uol Notícias

Matérias Relacionadas

Esportes

Jaraguá perde de virada para o Umuarama

Resultado de 3 a 2 deixa o aurinegro dependendo de resultados paralelos para classificar
Jaraguá perde de virada para o Umuarama
Economia

Varejo deve crescer até 3% em novembro puxado pela Black Friday

Previsão é da FecomercioSP
Varejo deve crescer até 3% em novembro puxado pela Black Friday
Geral

Rio não terá desfile de blocos de rua no carnaval de 2021

Sem vacina contra covid-19, evento é inviável, dizem especialistas
Rio não terá desfile de blocos de rua no carnaval de 2021
Economia

Ministra da Agricultura diz que nova safra pode reduzir preço do arroz

Tereza Cristina disse que a pandemia desequilibrou o mercado de grãos
Ministra da Agricultura diz que nova safra pode reduzir preço do arroz
Ver mais de Brasil