105 Ouça
Bancos

Bancos estão obrigados a trocar notas falsas

21 Jun 2016 - 12h35
Os bancos já estão obrigados a trocar notas ou moedas sob suspeita de falsificação recebidas por correntistas em terminais eletrônicos ou na boca do caixa, nas agências bancárias. A medida, anunciada pela equipe econômica no fim do mês passado, foi regulamentada pelo Banco Central ontem à tarde.

De acordo com a autarquia, o cidadão não deve aceitar as cédulas suspeitas, já que é produto de um crime. Por isso, salienta que é preciso sempre verificar o dinheiro e seus elementos de segurança, como marca d’água e impressão em alto relevo, por exemplo, no momento da retirada. Quando o saque da nota que parece ilegítima ocorrer num caixa 24 horas, o correntista deve procurar qualquer agência de seu banco para fazer a troca.

No caso de aposentados ou beneficiários do programa social Bolsa Família que não têm conta em banco e se depararem com essa situação, a recomendação também é procurar qualquer agência da instituição em que sacou o dinheiro para entregar a nota suspeita, que ficará retida, e receber uma legítima. Em nenhum caso é preciso retirar o extrato da conta para apresentar junto com o dinheiro ou fazer boletim de ocorrência.

O Conselho Monetário Nacional (CMN) e o BC já determinam que os bancos são responsáveis pelas cédulas que estão nos caixas eletrônicos. Portanto, eles sofrerão punições administrativas, além de ainda ficarem sujeitos a processos na área penal, já que a falsificação de dinheiro é crime.

Estas medidas são restritas para os casos em que a moeda ou a nota foi fornecida pela própria instituição financeira. Se o dinheiro duvidoso foi obtido no comércio, por exemplo, o cidadão pode procurar qualquer agência de qualquer banco, que anotará dados, como nome, endereço e CPF, por exemplo, e enviará a cédula ao BC para análise.

Se for comprovada que ela é legítima, haverá ressarcimento pelo banco. No caso de a falsificação ser constatada, não há reembolso.

O andamento dessa análise pode ser acompanhado pelo portador da moeda. Após uma comprovação de que é verdadeira pelo BC, a instituição terá 24 horas para depositar o valor correspondente na conta do correntista ou tornar disponível o valor em até três dias úteis depois que receber o depósito da autoridade fiscalizadora.

O BC publicou em sua página na internet uma área reservada com perguntas e respostas sobre o tema. Depois de acessar o site (www.bcb.gov.br), é preciso ir em “Perguntas Frequentes” e, em seguida, clicar em “Dinheiro suspeito de falsificação”.

Adaptação. A circular do BC publicada ontem também trouxe etapas e prazos que passarão a ser cumpridos pelos bancos e a autarquia daqui a seis meses. As partes terão, portanto, 180 dias para se adaptarem ao novo cronograma.

Na primeira etapa, a instituição deve encaminhar o dinheiro retido em 30 ou 45 dias corridos, no caso de o recolhimento ocorrer em municípios em que não há uma representação do BC.

Na segunda etapa, o fiscalizador deve colocar o resultado da análise da nota na internet em até 20 dias corridos a partir do momento em que recebeu a cédula duvidosa.

 

 

Fonte: Agência O Estado
GNet

Matérias Relacionadas

Segurança

Julgamento de acusados no caso da Boate Kiss entra hoje no quinto dia

Depoimentos são de vítima e de testemunha de defesa de um dos réus
Julgamento de acusados no caso da Boate Kiss entra hoje no quinto dia
Saúde

STF suspende julgamento que proíbe demissão de não vacinados

A análise da portaria foi iniciada ontem em plenário virtual
STF suspende julgamento que proíbe demissão de não vacinados
Saúde

Rio Grande do Sul confirma caso de infecção pela variante Ômicron

Mulher voltou de viagem à África do Sul na semana passada
Rio Grande do Sul confirma caso de infecção pela variante Ômicron
Geral

WEG fornece Powertrain para ônibus elétrico da Marcopolo

Fabricação do ônibus Attivi reforça a capacidade da indústria nacional em transformar o Brasil em um player global de veículos de transporte urbano elétricos
WEG fornece Powertrain para ônibus elétrico da Marcopolo
Ver mais de Brasil