Covid - 19
Pesquisa

Baixa popularidade de Temer é reflexo de crise herdada, diz ministro

05 Out 2016 - 11h18
O ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, minimizou hoje (4) os resultados da pesquisa divulgada ontem (4) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), segundo a qual, em setembro, o governo de Michel Temer foi avaliado como ótimo ou bom por 14% dos brasileiros e ruim ou péssimo por 39%. Em junho, esses índices estavam em 13% e 39%, respectivamente.

Ele comentou ainda a queda de 3,8% da produção industrial, registrada em pesquisa também divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com o ministro, os dois levantamentos refletem os efeitos da crise herdada pelo governo federal.

“Eu acho que [o resultado apontado pela pesquisa da CNI] faz parte do momento que o Brasil está vivendo. Recebemos o país em uma crise profunda. Mas acho que já deu uma melhorada. Vamos continuar melhorando porque estamos todos empenhados em avançar, melhorar o ambiente de negócios, gerar emprego e gerar renda”, disse o ministro no Palácio do Planalto. “Até porque, como costumo dizer, emprego é o melhor programa social”, acrescentou.

 

As informações são da

Agência Brasil

Matérias Relacionadas

Esportes

CBF anuncia novo calendário do futebol brasileiro

Início das Copas Libertadores e Sul-Americana segue indefinido
CBF anuncia novo calendário do futebol brasileiro
Geral

IBGE pesquisa impacto da pandemia nas empresas

Primeiros resultados serão divulgados na próxima semana
IBGE pesquisa impacto da pandemia nas empresas
Saúde

IBGE promove pesquisa sobre covid por telefone

Cerca de dois mil agentes do IBGE fazem contato por telefone com 193,6 mil domicílios de 3.364 municípios de todos os estados do país
IBGE promove pesquisa sobre covid por telefone
Educação

Sebrae: cresce interesse por cursos a distância para empreender

Inscrições este ano, até o momento, chegam a 1,5 milhão de pessoas
Sebrae: cresce interesse por cursos a distância para empreender
Ver mais de Brasil