Familares na gestão executiva (operacional) do negócio

Não há uma fórmula mágica para a perenização das empresas familiares, mas o envolvimento dos sucessores no negócio deve começar desde cedo, para que eles tomem conhecimento de todos os processos da empresa e possam aprender na prática, no dia a dia, no ‘c

05 Nov 2018 - 07h30Por Emílio Da Silva Neto

As empresas familiares representam a grande maioria dos empreendimentos de médio e pequeno porte no Brasil, algo em torno de de 90% do total, de acordo com as estimativas do Sebrae.

O problema é que apenas 5% delas chegam à terceira geração de sucessores, e pouquíssimas se mantém fortes, com a mesma energia dispendida pelo seu fundador.

Não há uma fórmula mágica para a perenização das empresas familiares, mas o envolvimento dos sucessores no negócio deve começar desde cedo, para que eles tomem conhecimento de todos os processos da empresa e possam aprender na prática, no dia a dia, no ‘chão’ do negócio, o que fazer e o que não fazer.

Por sua vez, a chamada governança empresarial familiar implica no estabelecimento de uma cultura empresarial que prepara os herdeiros para garantir a continuidade do empreendimento, o que pode ser feito com uma boa educação empresarial, que incuta nos sucessores a importância de se utilizar ferramentas de planejamento e controle e de se investir na qualidade e capacitação permanente próprias (dos sucessores) e da equipe.

O lucro é prioridade de qualquer empresa, muito mais que o mero faturamento, razão pela qual há que se ter olhos constantemente voltados aos custos inerentes à operação, o que só é possível, se se conhecer, em profundidade, todos os processos do negócio.

Em outras palavras, isto significa que a operação em si deve ser muito bem conhecida, em todos as suas particularidades, ou seja, que cada etapa do processo, desde os ‘inputs’ até os outputs’, seja minuciosamente entendida, para que os resultados sejam maximizados.

Disponível para compra on line em www.amazon.com.br 
e em lojas fisicas (Grafipel/Jaraguá, Livrarias Catarinense/SC
e Livrarias Curitiba/Paraná).

Também, com dedicatória personalizada, diretamente com o Autor

Um perigo surge, contudo, quando os herdeiros-sucessores, já adultos, face a um eventual enorme sucesso financeiro do negócio, passam a se dedicar prioritariamente à aplicação e multiplicação do excedente monetário (gerado e repassado a eles) em outros negócios, até particulares, deixando num plano secundário a parte operacional do negócio original. Ou seja, deixam de ‘por a mão na massa’, para se dedicarem, principalmente, a ‘mutiplicar o dinheiro excedente’. De ‘gestores de negócio’ passam a ser, prematuramente, ‘gestores de capital’, ou seja, substituem o ‘amor ao negócio’ pelo ‘amor ao dinheiro’.

Em outras palavras, se a empresa cresce rápido demais, gerando lucros interessantes, pode acontecer do ‘dinheiro’ abundante ‘enfeitiçar’ os herdeiros, a ponto deles não se interessarem, mais, diretamente pela operação em si do negócio familiar, passando só a pensar em como gerir o capital excedente, algo muitas vezes, mais facinante e, até, mais lucrativo.

Mas, se os sucessores desejarem, efetivamente, continuar ganhando dinheiro através do estruturado negócio familiar, precisarão, antes de tudo, continuar com ‘os pés no chão do negócio’, ouvindo diretamente a sua equipe, principalmente, aqueles mais experientes, bem como, outros empresários, até concorrentes, para que possam antecipar cenários, saber quais as melhores soluções e aprender a tomar iniciativas. Só assim, poderão tomar as melhores decisões operacionais para continuar garantindo a geração de lucro (agregação de valor) à ‘vaca leiteira’.

Ou seja, mantendo a ‘mão na massa’, ordenhando diretamente a ‘vaca leiteira’ e continuando a ‘beneficiar e vender o leite’.

Oral Sin

Matérias Relacionadas

Futebol

Quatro times brigam pela última vaga no G-6 do Brasileirão

Futebol

Após empate, torcedores conversam com jogadores do Fluminense

Após empate, torcedores conversam com jogadores do Fluminense
Comunicado

Águas de Guaramirim faz intervenção na BR-280

O trânsito está em meia pista.
Ver mais de